sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

A questão das etnias - Questões de vestibular

VESTIBULAR 2014

(UERJ)


As mesmas forças produtivas engajadas no desenvolvimento extensivo e intensivo do capitalismo produzem tanto a integração como a fragmentação. As muitas variações de formas sociais de vida e de trabalho, compreendendo grupos e classes, etnias e minorias, nações e nacionalidades, religiões e línguas, são frequentemente recriadas.

Octavio Ianni
Adaptado de Sociedade global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,1999.

A ilustração e o texto expressam diferentes pontos de vista acerca do processo de globalização.
Essa diferença se manifesta pela contradição entre:
a) polarização e dispersão econômica   
b) elitização e popularização financeira   
c) homogeneização e diversidade cultural   
d) especialização e flexibilidade profissional   

(UERJ)



No I Congresso Mundial das Raças, ocorrido em Londres em 1911, o médico João Baptista de Lacerda ilustrou suas reflexões sobre a sociedade brasileira analisando a tela “A redenção de Cam”, que retrata três gerações de uma família.
Essa pintura foi utilizada na época para indicar a seguinte tendência demográfica no Brasil:
a) controle de natalidade  
b) branqueamento da população  
c) equilíbrio entre faixas etárias  
d) segregação dos grupos étnicos  

(PUC-SP) Leia: Por causa do risco iminente de extinção, a UNESCO produziu o Livro Vermelho das Línguas Ameaçadas, hoje substituído pelo Atlas das línguas ameaçadas do mundo [...] Os países que têm o maior número de línguas em risco de desaparecimento, segundo o Atlas, são:


Tendo em conta os processos e as localizações geográficas implicadas na questão das línguas ameaçadas de extinção, nota-se que
a) várias das línguas ameaçadas são línguas de grupos nativos preexistentes em países originários da colonização europeia, nos quais houve a imposição da língua do colonizador.
b) essa perda iminente da diversidade linguística, nos países listados, deve-se à necessidade de eliminar a própria diversidade cultural, condição necessária para o desenvolvimento social em ambientes mais comunicativos.
c) no Brasil, as línguas ameaçadas são várias das indígenas, em função do interesse dos falantes dessas línguas de pertencer ao conjunto da sociedade moderna e romper com o isolamento social em que vivem.
d) as línguas ameaçadas, nos países listados, sobrevivem por esforço dos estados, visto que as sociedades desses locais defendem que existam políticas públicas para preservar as culturas minoritárias.
e) a modernização e a globalização dominante da sociedade contemporânea tendem a reverter o processo de ameaça de extinção de várias línguas nativas, pela sua lógica de valorização da diversidade cultural.

VESTIBULAR 2013

(UNICAMP)

Em novembro de 2011, o cacique Nísio Gomes de Tekoha Guaiviry foi morto nas proximidades da rodovia MS-386, entre os municípios de Ponta Porã e Amambaí, no Estado do Mato Grosso do Sul (MS). O assassinato de indígenas nessa região é um fato frequente. Os povos indígenas Guarani e Kaiowá vivem em situações precárias e em constantes conflitos com os fazendeiros da região.
(Adaptado de “Documento Final Aty Guasu Kaiowá e Guarani: Aldeia Rancho Jacaré–Laguna”. CIMI-Regional Mato Grosso do Sul.

http://www.cimi.org.br/site/ptbr/index.php?system=news&action=read&id=6406. Acessado em 04/10/2012.)

a) Apresente os principais motivos de conflitos entre indígenas e fazendeiros como os da região mencionada no texto.

b) Cite duas ações coordenadas pela FUNAI direcionadas para a proteção das populações indígenas brasileiras.

Respostas:
a) Questões referentes à terra que envolvem reservas indígenas não demarcadas, instalação de posseiros não indígenas e o processo de grilagem estimulado pelos governos em meados do século XX.

b) Demarcação e fiscalização de temas indígenas, cadastramento dos grupos nativos e proteção às chamadas “tribos isoladas” ainda existentes.

VESTIBULAR 2012

(UNICAMP) A noção de cidadania gerada pela visão liberal a partir do século XVIII foi uma resposta do Estado às reivindicações da sociedade, e levou à institucionalização dos direitos civis, direitos políticos e direitos sociais. Mais contemporaneamente, a noção de cidadania redefine a ideia de direitos. O ponto de partida é a concepção de um direito a ter direitos e inclui a criação de novos direitos que emergem de lutas específicas.

a) O que são direitos civis e direitos sociais?

b) Dentre as “novas” gerações de direitos no contexto da cidadania, pode-se falar nos direitos difusos e coletivos e até em direitos bioéticos. Dê dois exemplos desses direitos da nova geração.

Resposta:

a) Direitos civis são direitos fundamentais à vida humana que permitem aos indivíduos controlarem suas próprias vidas; referem-se às liberdades individuais fundamentais. Exemplos: direito de viver, de ir e vir, de propriedade, de opinião, de escolher os governantes e de escolher o próprio trabalho. Os direitos sociais, por sua vez, referem-se aos direitos dos indivíduos diante da sociedade; aos meios de suprir as necessidades básicas do indivíduo; ao bem-estar econômico; à seguridade e acesso aos bens materiais e espirituais de uma sociedade (como a cultura). Eles garantem a participação na riqueza social. Exemplos: direito ao trabalho, remuneração justa, aposentadoria digna, descanso remunerado, à saúde, educação, previdência social, moradia etc.

b) São exemplos de direitos da nova geração os direitos do consumidor, das mulheres, igualdade de gênero, liberdade de orientação sexual, das crianças e adolescentes, portadores de necessidades especiais, minorias étnicas, ao meio ambiente equilibrado, à paz, de impedir intervenções indébitas na estrutura da vida e na natureza, de se regular a criação de novas formas de vida, ao uso das tecnologias (inclusão digital)

VESTIBULAR 2011
(PUC-RIO)

CONTRA O VÉU ISLÂMICO — FRANÇA PROÍBE USO DA BURCA (14/10/2009)


CIGANOS EXPULSOS DA FRANÇA SERÃO 950 DENTRO DE UMA SEMANA (25/08/2010)


Fontes: Google.imagens.com.br e Vera Monteiro/Agências

A partir das imagens das reportagens selecionadas, responda o que se pede:

a) Explique o que é XENOFOBIA e como ela afeta a pluralidade cultural no espaço europeu.

b) Indique UMA CAUSA CULTURAL da proibição do uso do véu islâmico e UMA CAUSA ECONÔMICA da expulsão dosciganos pelo atual governo francês.

Resposta:

a) Entende-se por Fundamentalismo Islâmico a interpretação particular e literal da sharia (a lei do Corão), aplicada com fins políticos. Em oposição às ideias laicas, modernas e ocidentais, essa interpretação afirma que, a fim de formar um Estado islâmico puro, os valores da tradição e religião islâmica devem desempenhar um papel central na vida econômica, social e política dos povos. Vários movimentos fundamentalistas procuraram e ainda procuram lutar para obter e manter o controle do
Estado nos países com maioria da população de religião islâmica e ali aplicar seus princípios. A xenofobia no espaço europeu, que é laico em sua constituição social e política, é contraproducente já que não corresponde aos ideais de pluralidade e convivência aos quais as sociedades européias, notadamente as ocidentais, se basearam desde meados do século XX.
(Adaptado de www.klikeducação.com.br).

b) Dentre os interesses políticos do Estado francês contra o uso da burca naquele país, pode-se interpretar.

1) aumentar o controle do Estado francês sobre o terrorismo internacional, já que terroristas podem se valer da ocultação da identidade de quem usa a burca para ampliar a sua rede de atentados;
2) ampliar a margem de aceitação do atual governo frente aos grupos ideológicos mais conservadores da sociedade francesa;
3) redimensionar a vida política e participação social das mulheres islâmicas na sociedade francesa, para que elas lutem por igualdade de direitos de gênero junto aos homens de sua comunidade próxima;
4) revalorizar os costumes ocidentais na população migrante com o objetivo de reforçar a condição de sociedade laica e liberal do franceses, sobre a qual o país construiu a sua identidade no mundo, desde
o século XVIII;
5) retirar a atenção da sociedade francesa dos principais problemas sociais e econômicos que afetam atualmente aquele país, redirecionando-o para problemas secundários.

Dentre os interesses econômicos do mesmo governo para expulsar os ciganos do país, pode-se argumentar:

1) reduzir os gastos sociais com migrantes ilegais em um Estado fortemente endividado, notadamente após a crise econômica iniciada em 2008;
2) diminuir o número de casos de violência no país (principalmente a ação dos narcotraficantes e grupos mafiosos do leste europeu), que vêm crescendo, assustadoramente, e que já afetam os investimentos econômicos na França e o turismo;
3) ampliar o acesso ao trabalho menos qualificado do francês de baixa renda afetado pela redução do emprego desde a crise de 2008 e que compete agora com os imigrantes pelo acesso aos postos de trabalho menos remunerados da economia francesa.

(UENP) Leia atentamente o fragmento de texto a seguir. Trata-se de uma entrevista com o sociólogo Zigmunt Bauman.

            Poderia falar mais amplamente sobre os riscos da modernidade?
            Uma das características do que chamo de "modernidade sólida" era que as maiores ameaças para a existência humana eram muito mais óbvias. Os perigos eram reais, palpáveis, e não havia muito mistério sobre o que fazer para neutralizá-los ou, ao menos, aliviá-los. Era óbvio, por exemplo, que alimento, e só alimento, era o remédio para a fome.
            Os riscos de hoje são de outra ordem, não se pode sentir ou tocar muitos deles, apesar de estarmos  todos expostos, em algum grau, a suas consequências. Não podemos, por exemplo, cheirar, ouvir, ver ou tocar as condições climáticas que gradativamente, mas sem trégua, estão se deteriorando. O mesmo acontece com os níveis de radiação e de poluição, a diminuição das matérias-primas e das fontes de energia não renováveis, e os processos de globalização sem controle político ou ético, que solapam as bases de nossa existência e sobrecarregam a vida dos indivíduos com um grau de incerteza e ansiedade sem precedentes.
            Diferentemente dos perigos antigos, os riscos que envolvem a condição humana no mundo das dependências globais podem não só deixar de ser notados, mas também deixar de ser minimizados mesmo quando notados. As ações necessárias para exterminar ou limitar os riscos podem ser desviadas das verdadeiras fontes do perigo e canalizadas para alvos errados. Quando a complexidade da situação é descartada, fica fácil apontar para aquilo que está mais à mão como causa das incertezas e das ansiedades modernas. Veja, por exemplo, o caso das manifestações contra imigrantes que ocorrem na Europa. Vistos como "o inimigo" próximo, eles são apontados como os culpados pelas frustrações da sociedade, como aqueles que põem obstáculos aos projetos de vida dos demais cidadãos. A noção de "solicitante de asilo" adquire, assim, uma conotação negativa, ao mesmo tempo em que as leis que regem a imigração e a naturalização se tornam mais restritivas, e a promessa de construção de "centros de detenção" para estrangeiros confere vantagens eleitorais a plataformas políticas.
            Para confrontar sua condição existencial e enfrentar seus desafios, a humanidade precisa se colocar acima dos dados da experiência a que tem acesso como indivíduo. Ou seja, a percepção individual, para ser ampliada, necessita da assistência de intérpretes munidos com dados não amplamente disponíveis à experiência individual. E a Sociologia, como parte integrante desse processo interpretativo — um processo que, cumpre lembrar, está em andamento e é permanentemente inconclusivo —, constitui um empenho constante para ampliar os horizontes cognitivos dos indivíduos e uma voz potencialmente poderosa nesse diálogo sem fim com a condição humana.

PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. Entrevista com Zigmunt Bauman. Tempo soc. [online]. 2004

Sobre a questão dos imigrantes na Europa, julgue a veracidade das proposições abaixo.

I. A França começou a ser lentamente islamizada, em consequência de ondas sucessivas de novas migrações, nomeadamente das suas antigas colônias africanas, na sua maioria islamizadas. O número de muçulmanos não parou de aumentar (cerca de 10% da população francesa). Os grandes valores republicanos, com que a França integrava facilmente os imigrantes europeus, começaram a não surtirem efeito. A França começou então a depurar as suas referências culturais para se ajustar a esta nova realidade.
II. A Inglaterra e a Holanda adotaram um modelo próprio de integração: o multiculturalismo, isto é, cada imigrantes pode ter os valores que quiser, viver como entender, praticar a sua religião, mas não pode é interferir na ordem instituída. Tudo isto em nome da tolerância e dos direitos do indivíduo. A verdade é que essas sociedades acabaram por entrar numa lógica segregacionista: naturais para um lado, estrangeiros para outro.
III. A Alemanha e a Suíça levaram até às últimas consequências o modelo segregacionista, impondo uma clara separação entre "naturais" e "imigrantes. Estes últimos são mantidos, desde a sua chegada, a distância, sendo-lhes dito que não passam de mão-de-obra descartável, sempre que a situação o exija. Apesar do elevado número de imigrantes turcos existentes na Alemanha, a verdade é que apenas um pequeno número conseguiu naturalizar-se alemão.

Pode-se afirmar que é(são) verdadeira(s):

a) todas
b) apenas II e III
c) apenas I e II
d) apenas I e III
e) nenhuma

(UFLA) Observe as informações abaixo:

Civilização Ocidental: herdeira das culturas grega e romana. Dominante em vários continentes e grandes regiões. Convive com outras culturas.

Civilização Islâmica: cultura muçulmana. Abrange a região que vai da Turquia ao Paquistão e Bangladesh. Elemento unificador: religião maometana.

Civilização Hindu: Abrange a Índia e países vizinhos. Mistura de religião e filosofia é o elemento unificador. Também é considerada um conjunto de ideias.

Indique a alternativa que define uma “civilização”:

a) A identidade cultural mais ampla de um povo.
b) A abrangência regional.
c) O tipo de religião dominante.
d) A dominação político-social imposta.

(UNESP)

Soweto viu a Copa do Mundo. Em um Mundial questionado por seu impacto social apenas limitado e por excluir grande parte da população africana dos benefícios, os 4 milhões de moradores da cidade nas proximidades de Johannesburgo só souberam um dia antes que a seleção brasileira faria seu único treino aberto em Soweto.
(O Estado de S.Paulo, 04.06.2010. Adaptado.)

Considere as afirmações seguintes.

I. Soweto está localizado na região metropolitana de Johanesburgo e foi a maior township da África do Sul.
II. As townships nasceram durante o período do apartheid, devido à separação espacial entre negros e brancos.
III. Dentre os Prêmios Nobel da Paz, estão Nelson Mandela e o Arcebispo Desmond Tutu, que viveram em Soweto.
IV. Berço da luta contra o apartheid, durante o regime racista, Soweto conseguiu resolver seus problemas sociais, integrando-se totalmente ao restante da capital.

Estão corretas apenas as afirmações

a) I, III e IV.
b) III e IV.
c) I, II e III.
d) I e II.
e) II, III e IV.

(UFF) A seleção alemã de futebol da Copa do Mundo de 2010 apresentou cinco atletas nascidos fora da Alemanha e seis filhos de imigrantes, num total de 23 jogadores. “É a verdadeira nação arco-íris”, estampou um jornal de Johannesburgo, brincando com a expressão utilizada pelo bispo Desmond Tutu para designar a África do Sul pós-apartheid. Para o sociólogo alemão Martin Curi, a inserção de estrangeiros, principalmente de turcos, na equipe alemã ocorre até com certo atraso. Mesut Ozil e Sedar Tasci são os primeiros turcos a jogarem uma Copa do Mundo pelo país, 40 anos após ser registrado o maior fluxo migratório da Turquia para a Alemanha.

Folha de São Paulo, 03/07/2010, p. D-28. Adaptação.

Com relação à inserção de jogadores estrangeiros destacada no texto, conclui-se, adequadamente, que ela

a) representa a flexibilização do mercado de trabalho na União Europeia.
b) mostra a inexistência da xenofobia por parte da população nativa original.
c) dificulta os fluxos migratórios para o país mais desenvolvido da Europa.
d) expressa o caráter pluriétnico da sociedade alemã contemporânea.
e) reflete a falta de programas sociais para a juventude alemã desportiva.

(UFF)

EM 5 ANOS, NOVA ORLEANS RENASCE BRANCA

“A tragédia do furacão Katrina em Nova Orleans completa cinco anos neste mês com um legado que vai muito além das casas ainda destruídas da cidade: o equilíbrio de poder foi totalmente realinhado, a clivagem racial, aprofundada. A maioria negra, que sofreu retirada forçada durante a enchente ocorrida após o furacão, viu sua dominância sobre a política das últimas décadas ir se esvaindo até que praticamente todos os órgãos eletivos locais “embranqueceram”. (...) Moradores e estudiosos afirmam que a virada é resultado de um esforço deliberado. O primeiro plano de reconstrução da cidade previa fazer parques nos bairros negros devastados. Pra onde os antigos moradores voltariam? De  referência, para lugar nenhum.”
Folha de São Paulo, 08/08/2010, p. A24.

Para além dos efeitos imediatos do furacão Katrina, a reportagem focaliza a dinâmica de “embranquecimento” de Nova Orleans, diretamente associada a processos de

a) nomadismo urbano.
b) densificação urbana.
c) segregação espacial.
d) exploração demográfica.
e) migração sazonal.

(UFRJ) Nas últimas décadas, a Turquia vem pleiteando, sem sucesso, sua entrada na União Europeia.

Apresente uma razão que tem dificultado a entrada da Turquia na União Europeia.

Resposta

Dentre as razões que vêm dificultando o ingresso da Turquia na União Europeia encontram-se: o receio da entrada de um Estado-Nação de maioria muçulmana na União Europeia; o temor da competição por emprego por parte dos trabalhadores europeus; os riscos associados à proximidade da zona de conflitos no Oriente Médio; e a insegurança associada aos conflitos internos existentes na Turquia.

VESTIBULAR 2010

(UEG) Um dos grandes desafios do século XXI para tornar o mundo melhor é o de aprender a conviver com os outros, aceitar e respeitar os que são diferentes na cultura, na religião, nos costumes, na sexualidade etc. A intolerância, os preconceitos, as discriminações e o racismo, no entanto, vêm crescendo. Sobre esse assunto, é CORRETO afirmar:

a) o princípio de que todos os seres humanos são iguais, independentemente de sexo, cor da pele, orientação sexual, local de nascimento, valores culturais, existe de direito e de fato nas sociedades democráticas.
b) o racismo consiste numa tendência a desvalorizar certos grupos étnicos, sociais ou culturais, atribuindo-lhes características inferiores e manifesta-se na segregação e rejeição de valores culturais.
c) os neonazistas, os carecas, os arianos, entre outros, são grupos organizados que visam combater os preconceitos, sobretudo contra migrantes pobres.
d) a xenofobia e a homofobia atingem em maior grau os indígenas, os negros e a mulher, considerados
inferiores em determinadas sociedades.

(UERJ) Cada um, de cada lugar do mundo, tem de assinalar em seu endereço eletrônico o país onde mora e de onde fala (.br, .ar, .mx, etc.); aquele que fala a partir dos EUA não precisa apor .us ao seu endereço e, assim, é como se falasse de lugar-nenhum, tornando familiar que cada qual se veja, sempre, de um lugar determinado, enquanto haveria aqueles que falam como se fossem do mundo e não de nenhuma parte específica.

Adaptado de Carlos Walter Porto-Gonçalves
In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

O texto acima contém uma reflexão acerca de um aspecto importante das redes mundiais de produção e circulação de conhecimento. Segundo o autor, essas redes são marcadas pelo conceito de:

a) pluralismo
b) autoritarismo
c) nacionalismo
d) etnocentrismo

(UERJ) Cada um, de cada lugar do mundo, tem de assinalar em seu endereço eletrônico o país onde mora e de onde fala (.br, .ar, .mx etc.); aquele que fala a partir dos EUA não precisa apor .us ao seu endereço e, assim, é como se falasse de lugar nenhum, tornando familiar que cada qual se veja, sempre, de um lugar determinado, enquanto haveria aqueles que falam como se fossem do mundo e não de nenhuma parte específica.

Adaptado de Carlos Walter Porto-Gonçalves In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

O texto acima contém uma reflexão acerca de um aspecto importante das redes mundiais de produção e circulação de conhecimento.
Segundo o autor, essas redes são marcadas pelo conceito de:
a) pluralismo 
b) autoritarismo 
c) nacionalismo 
d) etnocentrismo 

(UFF) “Choque de civilizações” é o título do livro de autoria do cientista norte-americano Samuel Huntington, no qual são identificados conjuntos civilizacionais e seus possíveis enfrentamentos, conforme ilustrado no mapa abaixo:


Fonte: BONIFACE, Pascal e VÉDRINE, Hubert. Atlas do Mundo Global. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

A partir da análise do mapa, outro título adequado às ideias de Samuel Huntington é:

a) “O mundo Ocidental em risco”
b) “A ascensão dos nacionalismos periféricos”
c) “O triunfo global do mundo africano”
d) “O fim da história e da ideologia”
e) “O declínio das religiões imperiais”


(UERJ)  Um dos grandes desafios do século XXI para tornar o mundo melhor é o de aprender a conviver com os outros, aceitar e respeitar os que são diferentes na cultura, na religião, nos costumes, na sexualidade etc. A intolerância, os preconceitos, as discriminações e o racismo, no entanto, vêm crescendo. Sobre esse assunto, é CORRETO afirmar:

a) o princípio de que todos os seres humanos são iguais, independentemente de sexo, cor da pele, orientação sexual, local de nascimento, valores culturais, existe de direito e de fato nas sociedades democráticas. 
b) o racismo consiste numa tendência a desvalorizar certos grupos étnicos, sociais ou culturais, atribuindo-lhes características inferiores e manifesta-se na segregação e rejeição de valores culturais. 
c) os neonazistas, os carecas, os arianos, entre outros, são grupos organizados que visam combater os preconceitos, sobretudo contra migrantes pobres. 
d) a xenofobia e a homofobia atingem em maior grau os indígenas, os negros e a mulher, considerados inferiores em determinadas sociedades. 

(UNESP) Segundo Samuel Huntington, a política mundial está sendo reconfigurada seguindo linhas culturais e civilizacionais, nas quais o papel das religiões é muito importante.

Correlacione as duas colunas:


Os países e suas respectivas religiões predominantes são:

a) 1b, 2c, 3a e 4d.
b) 1c, 2a, 3d e 4b.
c) 1b, 2c, 3d e 4a.
d) 1c, 2d, 3a e 4b.
e) 1b, 2d, 3c e 4a.

VESTIBULAR 2009

(UFJF) Leia a informação a seguir, veiculada pelo jornal Correio do Brasil.

30/7/2008 20:51:30
Roma se começa a conhecer pelo Gueto
Por Flavio Vitari - de Roma

Apesar de ser o centro do mundo cristão, vamos começar pelo Gueto. Isso mesmo, pelo Gueto. Por  mais extraordinário que pareça, os judeus estão em Roma desde o século II a.C., é a comunidade mais antiga da Europa. Por volta do séc XVI, papado de Paulo IV, começaram a ser perseguidos, tendo início a construção das muralhas que isolariam a área por eles habitadas, que no fascismo ficou conhecido como Gueto judaico.

Disponível em < http://www.correiodobrasil.com.br/coluna.asp?c=141563 >. Acesso em 01/11/2008.

Com a globalização, à medida que aumenta a mobilidade humana, aumentam os muros e as divisões visíveis e invisíveis, aumentam os guetos. O gueto é

a) uma área definida como o espaço físico sobre o qual o Estado exerce seu poder soberano.
b) um estado não-independente e subordinado, até certo grau, a um poder externo ou estrangeiro.
c) um bairro de uma cidade, onde vivem os membros de uma etnia ou outro grupo minoritário.
d) um território nacional autônomo totalmente cercado por um território estrangeiro.
e) uma região geográfica que forma uma unidade distinta em virtude de determinadas características.

(UNIFACS)

 “O BRAZIL QUEM USA SOU EEUU”

Essa frase, retirada de uma grafite de parede de uma cidade brasileira, é uma crítica

a) à crise nas escolas públicas brasileiras.
b) ao alto índice de analfabetismo da sociedade.
c) à obrigatoriedade do ensino do Inglês nas escolas.
d) à influência da cultura norte-americana no Brasil.
e) ao excessivo número de filmes norte-americanos na televisão.

VESTIBULAR 2008

(UFG) A massificação da cultura reforçada pelo crescimento das metrópoles é um fenômeno importante do espaço contemporâneo. No mundo atual, essa massificação tem a função de

a) absorver os símbolos e os signos dos migrantes rurais.
b) desenvolver valores consumistas na economia de mercado.
c) inibir a ação cultural dos movimentos sociais urbanos.
d) oferecer entretenimento à população de baixa renda.
e) estimular a rebeldia no interior da sociedade urbana moderna.

(UPB) Os movimentos separatistas - regionais, religiosos e étnico-nacionais - são marcas que reordenam os territórios pertencentes a diversas sociedades mundiais. Em alguns países, grupos étnico-nacionais diferentes convivem tranqüilamente, enquanto que, em outros, há sérios conflitos e movimentos sociais que acabam redefinindo os territórios. Um exemplo é a África do Sul, que, ao longo dos anos de 1980 e de 1990, com a questão do Apartheid, teve vários conceitos associados a essa barreira ideológica. Nesse sentido, associe cada termo citado, na 1ª coluna, ao respectivo significado descrito, na 2ª coluna:

(1) Muro Antiimigração
(2) Comunidade
(3) Identidade étnico-cultural
(4) Etnia
(5) Sociedade

(   ) É contrário(a) ao espírito de cooperação, contraponto da relação bilateral em seu conjunto, e prevalece para garantir a segurança na fronteira, gerando um clima de tensão entre as
comunidades fronteiriças.
(   ) Está associado(a) a determinadas formas de organização social que surgem e se desenvolvem através da experiência de grupos humanos identificados por crenças, normas, idiomas e técnicas,
aprovadas pela Declaração Universal dos Direitos Humanos.
(   ) É constituído(a) por comunidades diferenciadas pela cor da pele, por uma cultura específica e pela origem em uma dada população nacional.

A seqüência correta é:

a) 1, 3, 4
b) 1, 2, 3
c) 2, 3, 5
d) 1, 2, 4
e) 2, 4, 5
(UNIFACS) O perfil racial da Fundação Unipalmares é único na América do Sul e há poucas como ela no mundo. O projeto excita e atrai muita gente, como Jairo Abud, professor titular da Fundação Getúlio Vargas, que se apresentou à Unipalmares no início de 2005. A diretora, acanhada, disse que não teria como pagá-lo. Ele respondeu: “Não estou perguntando quanto ou como a senhora vai me pagar, estou dizendo que vou dar aula aqui”.
Inevitável provocar a diretora sobre o tema da democracia racial: “Minhas opiniões sobre isso se
aprofundaram. Hoje eu posso falar a partir de um conhecimento empírico. Eu discordava da democracia
racial de Gilberto Freyre, sacava as dificuldades do negro. A importância disto aqui é que nossos alunos têm uma melhoria macro: observo mudanças no modo de eles falarem, de se comportar, a postura, as roupas, o padrão de consumo. Eles começam a ler e selecionar o que lêem. Não importa o que aconteça daqui pra frente, nós já conseguimos fazer nosso aluno entender que aqui ele pode, e alguém da família dele pode também. Olha, estou vivendo a democracia racial pela primeira vez”.

(ZIBORDI, 2007, p. 8).

A questão racial no Brasil tem suas origens históricas na escravidão e na situação do negro após a Abolição. Ações políticas, como a da Unipalmares, representam, no contexto da sociedade brasileira,

01) uma comprovação da existência da democracia racial no país, fruto da miscigenação étnica que deu origem ao povo brasileiro.
02) uma política de ação afirmativa, que, através de mecanismos compensatórios, busca corrigir uma injustiça social no país.
03) o reforço do preconceito racial, pois prova a incapacidade intelectual dos negros para ingressarem na universidade sem mecanismos facilitadores.
04) a tese de que a diferenciação ocorre por critérios sociais e não de cor, na medida em que não existem manifestações de racismo na sociedade brasileira.
05) um retrocesso, ao permitir o ingresso na universidade de pessoas desqualificadas, utilizando-se apenas do critério racial e nenhum mecanismo de aferição de conhecimento.

Resposta: 02


VESTIBULAR 2007

(UFMG) Considerando-se os reflexos das migrações internacionais na organização do espaço mundial, é INCORRETO afirmar que, na atualidade, há

a) um aumento de ações decorrentes da xenofobia que caracteriza parcela da população dos países receptores de imigrantes.
b) um crescimento do contingente de imigrantes ilegais, o que tem favorecido a criação de leis que dificultam e criminalizam a presença deles nos países receptores.
c) uma plena integração cultural e socioeconômica, no país receptor, das gerações posteriores de imigrantes, tornadas cidadãos nacionais.
d) uma tendência à mudança do perfil étnico, nos países receptores, em razão do número de imigrantes recebidos e de seu comportamento demográfico diferenciado.

(UFBA) Ao longo do século XIX, uma das discussões mais importantes foi sobre a composição racial do povo brasileiro. Visitantes estrangeiros e boa parte da elite nacional viam na elevada dose de “sangue” não-branco em nosso povo o grande problema do Brasil. Ainda nas primeiras décadas do século XX, para muitos, a salvação viria pelo “embranquecimento” através de práticas eugênicas e da imigração européia. Isso nos redimiria do pecado da mistura.

(CASTRO, 2006, p. 98).

A análise do texto e os conhecimentos relativos à discussão atual sobre as relações étnicas na sociedade brasileira permitem afirmar:
(01) A “elevada dose de ‘sangue’ não-branco”, mencionada no texto, influía pouco nas hierarquias sociais e nos critérios de participação política do Brasil no Período Monárquico.
(02) A cordialidade que marcou a convivência cotidiana entre senhores e escravos domésticos ao longo da história da escravidão no Brasil, explica a ausência de preconceito, racismo e outros conflitos entre esses segmentos da sociedade, no Período Colonial.
(04) A mestiçagem entre negros, brancos e índios registrada na História do Brasil gerou uma sociedade integrada, harmônica, na qual as diferenças de cor estão diluídas, a ponto de não interferirem nas relações sociais.
(08) A crença sobre a existência de uma “democracia racial”, na qual índios, brancos, negros e mestiços alcançam iguais oportunidades de realização social, tem contribuído para desviar a atenção da sociedade das práticas de preconceito e de discriminação existentes no Brasil.
(16) A busca do “embranquecimento” pelos segmentos negros ou mestiços relaciona-se diretamente com a pobreza, com a exclusão e com o preconceito enfrentados por eles no mercado de trabalho, na educação e na ocupação dos espaços sociais.
(32) As desigualdades sociais resultantes de fatores econômicos, habitacionais e educacionais, dentre outros, aprofundam as diferenças étnicas e dificultam a tomada de consciência e de cidadania por parte de grandes contingentes da população afro-descendente no Brasil.

Resposta: 56 (08+16+32)

(UFG) Leia o trecho do artigo de Demétrio Magnoli.

As etnias hutus e tutsis foram inventadas pelo poder colonial europeu, que encontrou uma sociedade organizada em torno de um rei de caráter sagrado, cuja autoridade se baseava numa aristocracia de proprietários de rebanhos (os tutsis) que subordinava a massa de camponeses (os hutus). Toda sociedade ligava-se por laços de dependência pessoal, que asseguravam certa coesão.  Tudo começou com o censo, que registrou as duas “etnias”. Em 1926, o governo colonial emitiu documentos de identidade com rótulos “tutsi” e “hutu”. Manuais vulgares repetem, até hoje, narrativas históricas que opõem as etnias, usando, para tanto, razões científicas.

MAGNOLI, D. O país das cotas e do genocídio. Folha de S. Paulo, 19 ago. 2005. Ilustrada. [Adaptado].

O autor discute a relação entre os dois grupos envolvidos no conflito ocorrido em 1994, em Ruanda. Sobre a emergência desse conflito contemporâneo, pode-se afirmar que

a) o desacordo era anterior ao colonialismo, pois historicamente tutsis e hutus disputavam a posse da terra.
b) a distinção entre tutsis e hutus reforçou a oposição ao domínio colonial europeu.
c) o discurso histórico desqualificou a sacralidade da figura real, induzindo os grupos à rivalidade.
d) a exploração dos proprietários de rebanhos sobre os camponeses definia as relações étnicas.
e) as identificações étnicas, patrocinadas por ação governamental, fermentaram o conflito e o massacre.

VESTIBULAR 2006

(UFC) Em  tempos  neoliberias,  o  processo  de  globalização,  que  interliga  lugares,  através  da movimentação  de pessoas, de valores, de  capitais  e de mercadorias, pode ocasionar  situações que expõem a humanidade a condições  de  risco.  Entre  as mais  graves  e/ou  sobre  as  tentativas  de  evitá-las,  é  possível  destacar,  de modo correto:

a) a difusão de preconceitos contra estrangeiros, pela crença de que as pessoas e os produtos vindos de fora são os responsáveis pelas crises da economia e pelo desemprego.
b) a  transferência  de  doenças  degenerativas  pelos  continentes,  como  as  neoplasias,  as  doenças cardíacas, o Mal de Alzeimer, entre outras, até há poucos anos, típicas de países desenvolvidos.
c) a repercussão  das  crises,  nas  bolsas  de  valores,  provocadas  por  conflitos  armados,  que  têm  efeitos semelhantes entre países ricos e pobres e entre pessoas de diferentes condições sociais. 
d) a carência  de  água,  provocada  pelo  seu  consumo  inadequado,  que  levou  o  mundo  a  adotar  como forma de controle a racionalização e a privatização do seu uso.
e) o desequilíbrio  na  distribuição  da  população  mundial,  solucionável  através  da  transferência  de populações, possibilidade assegurada pelas políticas migratórias internacionais.

(UFF) Leia o texto.

            A maioria das pessoas hoje tende a pensar em cultura como pertencendo a uma determinada sociedade: japoneses têm cultura japonesa, franceses têm cultura francesa, americanos têm cultura americana, e assim por diante. Mas hoje isso tem se mostrado confuso: nós pertencemos à nossa cultura nacional específica, mas muitos de nós no mundo afluente atual também selecionamos – ou pelo menos acreditamos que selecionamos – aspectos de nossas vidas no que pode ser chamado de “o supermercado cultural global”.
            Um resultado disso é uma profunda contradição (...). Sentimos que pertencemos à nossa cultura nacional específica e acreditamos que devemos estimá-la. Mas também consumimos no supermercado cultural global e acreditamos que podemos comprar, fazer, ser qualquer coisa do mundo que queiramos – mas não podemos ter as duas coisas. Não podemos ter ao mesmo tempo a escolha entre todas as culturas do mundo e a nossa própria individualidade cultural. Ao acreditar ser possível escolher aspectos de sua vida e da cultura do mundo todo, então onde está o seu lar? (...) Podem lar e raízes serem simplesmente mais uma escolha do consumidor?
Gordon Mathews. Global culture/individual identity: searching for home in the cultural supermarket. London, Routledge, 2000, p. 9

Identifique a opção cujo argumento traduz corretamente as idéias apresentadas no texto.

a) A invasão cultural estrangeira, destruindo as culturas nacionais.
b) O consumismo indiscriminado como fator de alienação.
c) O multiculturalismo como resultado das migrações internacionais.
d) A perda das “raízes culturais” como decorrência lógica da urbanização.
e) A identidade cultural problemática no contexto da globalização.

(UFPE) Este país localiza-se no Oriente Médio, onde ocupa uma ampla península desértica. É considerado o berço do islamismo. Anualmente, grandes migrações temporárias, com milhões de peregrinos, dirigem-se a Meca. A riqueza do país provém da exploração de grandes jazidas petrolíferas.


O país descrito está indicado no mapa pelo número:

a) 1.
b) 2.
c) 3.
d) 4.
e) 5.

(FGV) Em 2004 a UNB instituiu um programa de política de ação afirmativa em seu vestibular. Posteriormente, também a UERJ inaugurou um programa semelhante e colocou este tema em evidência no debate nacional. Indique o item abaixo que melhor caracteriza uma política de ação afirmativa.

a) Política afirmativa consiste apenas na adoção de quotas de acesso a universidades, com o objetivo de eliminar a pobreza em determinadas regiões das áreas metropolitanas.
b) Uma política de ação afirmativa consiste em um tipo de seleção apoiada em critérios não discriminatórios e especialmente baseada no mérito acadêmico ou no desempenho escolar.
c) Política de ação afirmativa resume-se na adoção de cotas para o ingresso em universidades ou outras instituições de ensino, com o objetivo de garantir o amplo acesso de jovens negros às escolas públicas ou privadas.
d) Política de ação afirmativa consiste na adoção de critérios de seleção para o ingresso a instituições de ensino e postos de trabalho, com a finalidade de promover maior diversidade entre os alunos, especialmente com respeito a gênero, raça, origem social, orientação sexual e deficiência física.
e) Política de ação afirmativa resume-se à adoção do sistema de quotas. Tal sistema refere-se à definição de 30% das vagas universitárias para minorias e grupos étnicos.

(MACKENZIE) Sobre a criação da reserva indicada no mapa, é correto afirmar que


a) se trata da reserva “Raposa Serra do Sol”, cuja criação é apoiada pelos índios e criticada por fazendeiros que querem a descontinuidade da reserva.
b) se trata da reserva de Dourados, cuja a criação irá prejudicar não só os agricultores de soja, como os índios da região, que vivem da criação de gado.
c) se trata da reserva de Dourados, que beneficiará os índios de uma forma geral, mas dificultará o escoamento da produção de arroz, banana e milho.
d) representa uma área equivalente à Bélgica, chamada de Parque Indígena do Xingu com uma população inferior a cinco mil índios.
e) corresponde a reserva “Raposa Serra do Sol”, onde o Governo Federal, ONGs e ambientalistas defendem a sua efetivação e lutam para manter nela, três cidades e grandes lavouras de arroz.

(UEL) Analise a charge e o texto a seguir.


“A pressão de grupos políticos e empresariais de Rondônia que defendem a liberação do garimpo a
todo o custo, principalmente pelo próprio governo do Estado que se propõe a comprar os diamantes via
Companhia Rondoniense de Mineração – CMR, tem funcionado como incentivador aos garimpeiros no
processo de invasão em busca de diamantes”.

(SANTOS, R. A. Índios e diamantes em Rondônia. Disponível em: . Acesso em: 11 Jun. 2005.)

Com base na charge, no texto e nos conhecimentos sobre o tema, considere as afirmativas a seguir.

I. A charge e o texto mostram a preocupação do Governo brasileiro em desenvolver uma Política Indigenista que vise garantir os direitos territoriais dos povos indígenas.
II. O texto e a charge remetem à importância da política indigenista brasileira nos últimos cinco anos e aos ganhos sociais decorrentes da garantia dos direitos a essa população.
III. A partir da charge e do texto, é possível verificar que os povos indígenas estão alijados do apoio oficial necessário à luta pela manutenção de suas terras e de seus recursos naturais.
IV. A charge e o texto indicam que, em diversas instâncias, ecoam ações e discursos contrários às reais necessidades dos povos indígenas.

Estão corretas apenas as afirmativas:

a) I e II.
b) II e III.
c) III e IV.
d) I, II e IV.
e) I, III e IV.

(URCA) Sobre a População Brasileira é incorreto afirmar:

a) A miscigenação (cruzamento entre grupos étnicos) foi muito intensa no Brasil, originando os mestiços ou pardos (como são denominados nas estatísticas oficiais): o mulato (branco + negro); o caboclo ou mameluco (branco + índio); e o cafuzo (índio + negro).
b) O elemento branco que participou da formação étnica do Brasil é representado somente pelos
portugueses, italianos e espanhóis; c) Criou-se a FUNAI, com a principal função de aplicar o Estatuto do índio que afirma que “cabe ao Estado garantir os usos e costumes indígenas, bem como propiciar-lhes uma educação que vise à sua verdadeira integração na sociedade nacional”, embora isso seja contraditório.
d) Talvez o grande problema do Indígena na Amazônia não seja mais o extermínio físico (as matanças) e sim o cultural, com o desaparecimento de suas línguas, costumes, crenças e hábitos.
e) O imigrante asiático mais importante para a o japonês, classificado nas estatísticas como “amarelo”.

(UERJ)

A luta dos negros pela igualdade de direitos contou, nos Estados Unidos, nas décadas de 1950 e 1960, com a liderança do pacifista Martin Luther King. No Brasil, por meio de sua música, Gilberto Gil é uma das vozes que denunciam as condições precárias de vida de parcela dessa população. O processo histórico que deu origem à exclusão social de parte considerável da população negra, tanto no caso
norte-americano quanto no brasileiro, e uma de suas conseqüências estão relacionados em:

a) oficialização do apartheid – acesso a escolas segregadas
b) implantação do escravismo nas colônias – desvalorização do trabalho manual
c) empreendimento de política imperialista – restrição à ocupação de cargos de liderança
d) existência de relações escravistas na África – uso diferenciado de meios de transporte coletivos

(UEPB) Com o fim da escravidão no Brasil, em 1888, a situação do negro sofreu bastante modificação. Mas, teria o negro passado a desfrutar as mesmas condições econômicas e sociais que os brancos desfrutam? Tudo parece indicar que não. O negro continua a ocupar um lugar inferior na hierarquia social, ganhando salários menores e vivendo em piores condições que a média da população.

Com base no texto acima, é correto afirmar:

I. O sistema de cotas para negros nas universidades, criado pelo Governo Federal, tem o objetivo de facilitar o acesso de negros de baixa renda ao ensino superior de qualidade.
II. Não existe diferença na hierarquia social entre negros e brancos, pois ambos recebem os mesmos salários.
III. Segundo o Governo Federal não existe necessidade da criação de cotas, pois os negros possuem as mesmas condições e oportunidades dos demais segmentos da sociedade que almejam ingressar nas Universidades Públicas e Particulares.
IV. O sistema de cotas abre caminhos para que pessoas comuns tenham uma educação digna e de qualidade, independente de sua cor, de acordo apenas com sua capacidade intelectual.

Está(ão) correta(s), apenas a(s) proposição(ões)

a) II, III e IV
b) I, II e III
c) I
d) IV
e) III

(UERJ)


Os fragmentos das letras de música fazem referência a várias dimensões do processo de globalização vigente no sistema capitalista, sobretudo a partir da década de 1980. Uma característica econômica e uma tendência desse processo, respectivamente, são:

a) estatização das empresas – homogeneização do consumo
b) redução da intervenção estatal – padronização de culturas
c) internacionalização dos processos de produção – diminuição da exclusão social
d) segmentação dos investimentos internacionais – diversificação dos modelos educacionais

(CESGRANRIO)

             “Que esperança tem um jovem nascido em um bairro sem alma, cercado apenas da feiúra, aprisionado pelas muralhas cinzentas em uma terra baldia, também cinzenta, e condenado
a uma vida cinzenta, enquanto, em torno dele, a sociedade prefere ignorar sua situação até que chegue a hora de reprimir, a hora de PROIBIR?”

François Mitterrand, Folha de São Paulo, 15 nov. 2005.

As ondas de violência como as que se alastraram pelos subúrbios de Paris, no final de outubro de 2005, podem ser explicadas:

a) pelo agravamento das tensões xenófobas entre a comunidade migrante na Europa e o colapso do Estado de Bem-Estar Social que vem abandonando nas últimas décadas sua população mais pobre.
b) pela tentativa de barrar a entrada no continente de migrantes da África Subsaariana como forma de fortalecer a elaboração de políticas de integração nacional entre os países da Comunidade Européia.
c) pela formação de guetos na periferia das cidades que são responsáveis pela degradação dos serviços públicos e aumento da informalidade dos serviços.
d) pelas lutas entre a pequena burguesia e os imigrantes, buscando a reforma da sociedade para desenvolver uma política de integração das comunidades migrantes.
e) pelas disputas entre imigrantes de diferentes etnias e religiões por empregos de melhor remuneração, com o objetivo de elevar seu padrão de vida.

(UEPB)


A primeira leitura da foto nos remete ao seu aspecto mais evidente, ou seja, que a globalização chega a todos os lugares. Porém, podemos também destacar:

a) A forte influência que o Dalai Lama ainda exerce sobre o povo tibetano.
b) O papel desempenhado pela informação no meio atual, capaz de exercer pressão à invasão chinesa, através da mobilização mundial da opinião pública.
c) O destaque dado à informática na formação dos jovens orientais.
d) O papel que a cultura exerce na vida dos povos, a qual, mesmo sofrendo os efeitos da globalização, constitui um importante elemento de resistência à completa massificação.
e) A força da ideologia e da disciplina budista como mecanismo de resistência ao exército chinês.

(UEC) No início de novembro de 2005, os meios de comunicação divulgavam o impacto do confronto registrado entre policiais franceses e grupos residentes nos subúrbios de Paris, que colocou as autoridades governamentais em uma situação bastante delicada.

Para explicar as razões dessas manifestações populares, é correto afirmar:
a) o fortalecimento da força política da extrema esquerda é a principal impulsionadora  desses litígios, que motivou a conscientização dos menos favorecidos na luta pelos seus direitos
b) a razão principal dos conflitos registrados, nos bairros pobres, é devida à inflação acelerada, que atingiu em cheio a população pobre
c) a evidência explicativa das manifestações sociais registradas centra-se na expansão do radicalismo religioso  na periferia parisiense
d) agentes da revolta ocorrida pertencem a grupos de jovens desempregados, em sua grande maioria de origem africana ou árabe


VESTIBULARES ANTERIORES

(Adaptada da UFSCAR) Observe o mapa e a legenda.



a) Explique o que é uma civilização.
b) Quais civilizações que mais vêm se expandindo nas últimas décadas? Mencione dois traços característicos de cada uma delas.

Resposta:

a) Uma civilização é formada por uma sociedade (ou sociedades) cujos povos  têm traços culturais em comum, aspectos religiosos e modos de vida (hábitos e costumes) que os unem. Através dos tempos, as civilizações foram formadas ao conquistarem um desenvolvimento técnico que lhes permitiram o desenvolvimento de outras atividades além da luta pela sobrevivência. Elas podem fazer parte de um território específico, de um território nacional, ou ter abrangência maior  extra-nacional, como é o caso da civilização ocidental ou islâmica, por exemplo, que são formadas por vários Estados Nacionais.

b) São a civilização ocidental típica e a islâmica.
A civilização ocidental se caracteriza pelo desenvolvimento técnico e cientifico cujos valores estão baseados na sociedade de consumo.
A civilização islâmica se caracteriza pelo conservadorismo em seu modo de vida, extremamente vinculado à religião, e concepção os Estados devem combinar a liderança política e religiosa numa só instituição governante.

(Unicamp) Já foi dito que as religiões, todas elas sem exceção, nunca serviram para aproximar e congraçar os homens, que, pelo contrário, foram e continuam a ser causa de sofrimentos inenarráveis, de morticínios, de monstruosas violências físicas e espirituais que constituem um dos mais tenebrosos capítulos da miserável história humana."
                  (José Saramago, 'O Fator Deus', "Folha de S. Paulo", 18/9/2001.)

a) Considerando o texto acima, cite dois conflitos presentes no mundo atual que têm como justificativa questões religiosas.
b) Que outro importante aspecto pode explicar a natureza desses conflitos?

Resposta

a) Os conflitos na Palestina e na Irlanda do Norte.

b) Os conflitos étnicos e nacionalistas se intensificaram muito na última década, na maioria das vezes de caráter separatista, na luta pela autonomia ou formação de um Estado Nacional independente. 

(UERJ) Samuel P. Huntington, tratando das relações internacionais, já vem defendendo nos últimos anos a seguinte posição:

"Minha tese é a de que a fonte fundamental de conflito neste novo mundo não será essencialmente ideológica nem econômica. As grandes divisões na humanidade e a fonte predominante de conflito serão de ordem cultural.(...) O choque de civilizações dominará a política global."
                  ("Política Externa". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.)


Eric Hobsbawm, sobre a tragédia ocorrida nos EUA no último setembro, declara:

"Mas falar em 'choque entre civilizações' é uma tentativa de redirecionar o problema. (...) Cristãos e islâmicos formam uma única civilização. Ambos têm seus valores e dogmas bem sedimentados.
Portanto, tentar colocá-los em lados opostos é pretender fragilizar o argumento histórico. (...) A mim, pessoalmente, parece que alguém está tentando dizer ao presidente George Bush que sua política externa negligenciou as necessidades de grande parte dos países árabes e islâmicos, dos países em desenvolvimento (...).
                  ("O Globo", 18/09/2001.)

Considerando as diversas análises sobre os atentados terroristas contra os EUA e a leitura dos textos acima, formule uma afirmativa que reforce a posição do autor:

a) do primeiro texto;
b) do segundo texto, explicitando uma característica econômica do mundo ocidental.

a)
- As rivalidades baseadas em diferenças étnicas, culturais e religiosas são elementos que norteiam o chamado choque entre civilizações.
- Os principais conflitos pós-guerra fria deslocaram o centro do conflito, antes baseado na bipolaridade, para disputas étnicas e separatistas.
- Os conflitos mundiais pós-guerra fria podem levar a uma interpretação que evidencia contrastes no campo cultural entre a civilização ocidental e outras, como a do mundo islâmico.
b)
- As desigualdades sociais nos países capitalistas são marcadas fundamentalmente pela posição de classe e não pela crença religiosa.
- Ocorre grande interesse dos países centrais no controle da produção de matérias primas estratégicas como o petróleo.
- Existem laços históricos de dominação dos países capitalistas desenvolvidos sobre os países tradicionalmente fornecedores de matérias primas estratégicas.

(UFF) Leia o fragmento que se segue da entrevista concedida pelo intelectual palestino Edward Said, comentando os problemas atuais no Oriente Médio.

Entrevistador: O senhor não gosta da expressão “choque de civilizações”. Por quê?

Said: (...) são inúmeros os problemas. Para começar, ela trata as civilizações como se fossem entidades fechadas, lacradas, alheias a qualquer tipo de troca (...). Por fim, a idéia de choque de civilizações tem um aspecto caricatural muito nocivo, como se enormes entidades chamadas “Ocidente” e o “Islã” estivessem num ringue, lutando para ver qual é a melhor.
Revista Veja, 25/06/2003

Assinale a opção que reforça a opinião emitida por Said.

a)  As diferenças culturais não podem ser tratadas como expressão de conflitos, mas sim como particularidade de cada civilização no tempo e no espaço.
b)  Não existem diferenças jurídico-políticas entre o Ocidente e o Oriente Médio, logo não faz sentido diferenciar essas duas civilizações.
c) O mundo muçulmano não é homogêneo assim como o Ocidental; portanto, apenas os conflitos internos devem ser considerados.
d) As trocas entre distintos conjuntos civilizacionais incluem mercadorias culturais: desse modo, padronizam as civilizações.
e) A expressão “choque de civilizações” é inapropriada para o mundo atual, pois não há conflitos relevantes no âmbito das culturas e das religiões.

(UFF)

HAITI

Quando você for convidado pra subir no adro da
Fundação Casa de Jorge Amado
Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos
Dando porrada na nuca de malandros pretos
De ladrões mulatos
E outros quase brancos
Tratados como pretos
Só pra mostrar aos outros quase pretos
(E são quase todos pretos)
E aos quase brancos pobres como pretos
Como é que pretos, pobres e mulatos
E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados
E não importa se olhos do mundo inteiro
...................................................................................
Não importa nada
Nem o traço do sobrado, nem a lente do Fantástico
Nem o disco de Paul Simon
Ninguém
Ninguém é cidadão
Se você for ver a festa do Pelô
E se você não for
pense no Haiti
Reze pelo Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui
...................................................................................
(http://www.gilbertogil.com.br/disconew/letras_0.htm)

Em "Haiti", está retratada uma realidade sociopolítica observada nos países latino-americanos, que diz respeito à questão da Cidadania e dos Direitos Humanos. Acerca dessa questão, pode-se afirmar:

a) O desrespeito à Cidadania e aos Direitos Humanos na América Latina, em particular no Brasil, atinge de modo indiscriminado negros, índios e brancos, homogeneizando as condições sociopolíticas.
b) As sociedades latino-americanas não têm sido capazes de superar os conflitos étnicos, fenômeno inexistente nas democracias raciais vigentes nos países anglo-saxões da América, onde os direitos do cidadão são respeitados.
c) A globalização econômica, que possui como pressuposto a democratização política, tem um importante papel na ampliação dos direitos humanos das etnias na América Latina.
d) Na América Latina, as desigualdades socioeconômicas se entrelaçam com a discriminação étnica e cultural, fragilizando as possibilidades de instituição de uma territorialidade democrática que assegure os Direitos do Homem e do Cidadão.
e) As dificuldades para se ampliar o respeito à Cidadania e aos Direitos Humanos em territórios com forte presença de populações negras, como as do Brasil e do Haiti, decorrem da incapacidade de adaptação desse grupo étnico às exigências de sociedades democráticas.

(FUVEST) Após o término da bipolaridade, característica do período da Guerra Fria, os conflitos armados,

a) aumentaram, devido à inegável supremacia militar dos Estados Unidos no mundo.
b) diminuíram, devido ao surgimento de outros pólos de poder no mundo.
c) diminuíram, devido à derrota do socialismo soviético.
d) aumentaram, devido à retomada de antigas diferenças étnicas e religiosas entre povos.
e) aumentaram, devido ao crescimento de países que detêm armas nucleares.

(FUVEST)

"Hoje, a civilização só parece progredir onde existe um clima estimulante. Uma civilização de primeira categoria pode ser transportada de um lugar para outro mas só pode crescer com vigor onde o clima der energia aos homens."
                                   (Huntington, 1915)
                      
Na atualidade, considerando as linhas de pensamento geográfico mais modernas, a afirmação contida no texto pode ser

a) confirmada em numerosas áreas de colonização européia da África que não conseguiram se desenvolver em virtude dos climas áridos e semi-áridos.
b) contestada em sua essência, pois não são exclusivamente as condições naturais que justificam o grau de desenvolvimento de uma região.
c) confirmada em sua essência, pois em várias áreas da África e da América Latina as condições climáticas adversas retardaram o progresso.
d) contestada, pois não é o clima, mas o meio natural como um todo, o principal fator responsável pelo fraco desenvolvimento econômico de várias partes do mundo, a exemplo do Sahael africano.
e) confirmada na Ásia das Monções, onde a forte concentração de chuvas num só período do ano impediu que as influências da colonização européia promovessem o desenvolvimento da região.

(UFSM) Sobre o contingente da população indígena brasileira a partir do século XX, pode-se afirmar que

I - se verifica uma tendência de aumento desse contingente, principalmente em função da delimitação de reservas indígenas.
II - essa população, hoje muito reduzida (menos de 0,25%), está concentrada, principalmente, nas regiões Norte e Centro-Oeste.
III - a superfície total das terras indígenas equivale a um percentual pouco significativo da área do Brasil.
IV - ocorre um etnocídio no modo de vida, hábitos, crenças, língua, tecnologia e costumes.

Estão corretas
a) apenas I e II.
b) apenas II e III.
c) apenas I e IV.
d) apenas III e IV.
e) I, II, III e IV.


Um comentário:

Celia Clarice Atkinson disse...

Excelentes questões tanto na importância e seleção dos temas quanto na formulação
das mesmas. São fundamentais para refletir sobre o Brasil e o mundo.
Célia Clarice Atkinson