sábado, 24 de março de 2012

Usina denunciada por infrações sociais e ambientais quer vender créditos de carbono

Consórcio da hidrelétrica solicitou registro junto à ONU para entrar no lucrativo mercado de carbono; entidades contestam.



No início deste ano, cenas de casas ribeirinhas arrastadas pela força das águas do rio Madeira, em Rondônia, acompanharam a abertura das comportas da hidrelétrica de Santo Antonio, uma das principais obras do PAC na Amazônia. Os impactos sobre moradores das barrancas do rio foi tão forte, que os Ministérios Públicos Federal e Estadual intervieram e obrigaram o Consórcio Santo Antônio Energia, S.A a se responsabilizar pelos danos e realocação dos dezenas de desabrigados.
Este foi apenas o último capítulo de uma série de problemas ambientais e sociais que vêm se acumulando na conta da usina, que agora quer se beneficiar economicamente com a venda de créditos de carbono através de registro junto ao MDL (Mecanismo de Desenvolvimento Limpo), instrumento criado pelo Protocolo de Kyoto para incentivar projetos ambientalmente responsáveis.
De acordo com a solicitação da Santo Antônio Energia, S.A. (SAESA), a usina deverá emitir zero de Gases de Efeito Estufa (GEEs), além de trazer melhorias na qualidade de vida da população local. Isso lhe daria o direito de negociar créditos de carbono equivalentes a 51 milhões de toneladas de emissões CO2/equivalente evitadas (em fevereiro, o preço mínimo de uma tonelada de CO2/equivalente girava em torno de US$ 30 no mercado internacional).
Aberta à consulta pública até 21 de março, a solicitação de registro da usina Santo Antonio junto à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima (UNFCCC) foi enfaticamente contestada por organizações ambientais nacionais e internacionais (International Rivers, Conselho Indigenista Missionário, FASE Amazônia, Forum Mudanças Climáticas e Justiça Social, Grupo de Pesquisa Energia Renovável Sustentável, Instituto Socioambiental, Terra de Direitos, entre outros) e por especialistas no tema.

Impactos sociais e ambientais
De acordo com o pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA), Philip Fearnside, do ponto de vista técnico, o projeto da Santo Antônio Energia é um engodo. “Nenhuma das supostas reduções de CO2/equivalentes do projeto é real, e aprová-lo seria um retrocesso nos esforços de combate às mudanças climáticas”. Segundo Fearnside, tanto a decomposição da vegetação submersa pelo reservatório quanto a própria pressão das águas ao passarem pelas turbinas, emitirão um grande volume de GEEs. O pesquisador também explica que os projetos de MDL só poderiam receber o registro se a pretensa diminuição de emissões de GEEs não ocorreria sem os financiamentos deste mecanismo. No caso de Santo Antonio, a usina foi planejada pelo governo brasileiro e financiada por estatais com a total expectativa de lucrar sem os recursos adicionais do MDL. Nenhuma das 51 toneladas de redução de emissões é adicional ao projeto pré-existente, diz Fearnside.


Os opositores ao registro também listaram inúmeros outros impactos da hidrelétrica que, com Jirau - a outra usina construída no rio Madeira –, é considerada responsável pela extinção de espécies endêmicas de peixes, por ameaçar indígenas isolados, e pelo desmatamento recorde no município de Porto Velho em 2010. A Repórter Brasil também denunciou infrações trabalhistas na obra da hidrelétrica em 2009. A presença das usinas também está relacionada a uma epidemia de violência, prostituição infantil, consumo de drogas na região.
“A solicitação do MDL para a usina Santo Antonio é claramente manipulada para rebaixar seus impactos sociais e ambientais. O projeto é não adicional, insustentável e mais propenso a aumentar do que a diminuir a emissão de GEEs. A aprovação deste projeto poderia criar um precedente extremamente perigoso para o MDL”, afirmam as entidades.


Saiba mais: o que é o MDL?
O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) é o principal instrumento de flexibilização das metas de diminuição de emissões de Gases de Efeito Estufa, criados pelo Protocolo de Kyoto, e é aplicável a projetos em países que não têm metas de redução de emissão de GEEs. Permite que países desenvolvidos financiem projetos de redução ou comprem os volumes de redução de emissões resultantes de iniciativas desenvolvidas em países emergentes. A participação dos países envolvidos com o projeto deve: ser voluntária e aprovada pelos órgãos governamentais competentes de cada país; a atividade do projeto deve resultar em benefícios reais, mensuráveis e de longo prazo, relacionados com a mitigação das mudanças climáticas; as reduções de emissões de GEEs devem ser adicionais ao que ocorreria na ausência da atividade do projeto; a atividade do projeto deve contribuir para o desenvolvimento sustentável, segundo as diretrizes do país anfitrião.


23/03/2012

Verena Glass

http://www.brasildefato.com.br/node/9141

terça-feira, 20 de março de 2012

Questões - Industrialização Brasileira

01.(IFPA) Durante o Estado Novo (1937-1945), foram criadas as bases necessárias para o desenvolvimento industrial brasileiro a partir dos anos 50. O Estado tornou-se o grande investidor na indústria de base, criando empresas que foram fundamentais para o surto industrial posterior. Entre essas empresas, destacamos o (a):
a) Eletrobras
b) Banco Central
c) Companhia Siderúrgica Nacional
d) Banco do Brasil
e) Petrobras

C

02.(UESPI) O desenvolvimento industrial brasileiro, que teve início no final do século XIX, ocorreu de forma desigual nas diferentes regiões do Brasil, pois houve uma concentração da atividade industrial, particularmente, nos Municípios de São Paulo e Rio de Janeiro. Dentre outras razões, explicam esse fato:
a) a formação de um mercado externo na região Sudeste e a criação de casas de importação por emigrantes estrangeiros.
b) o domínio da cafeicultura no Sudeste, a conseqüente acumulação de capital e a imigração estrangeira que se dirigiu para essa região.
c) o domínio da mineração em São Paulo e a fundação de casas de exportação que tinham como objetivo abastecer o mercado brasileiro de produtos nacionais.
d) o desenvolvimento de empresas de extração mineral em São Paulo, que permitiu a acumulação de capital, e o conseqüente fluxo de emigrantes que para lá se dirigiu.
e) a abolição da escravidão e a concentração da população na região Sudeste, fato que estimulou a criação de casas de importação.

B

03.(UFOP) Juscelino Kubitschek assumiu a presidência do Brasil em 31 de janeiro de 1956. Seu governo foi marcado pela ênfase na necessidade de promover o desenvolvimento econômico sem criar o risco de perturbar a ordem social, embalado pelo otimismo do lema “cinquenta anos em cinco”. A política econômica do governo JK, voltada para os transportes, a educação, a produção de alimentos, o desenvolvimento da indústria de base e a construção de Brasília, foi definida em um documento que sintetizava 31 objetivos.

Marque a opção que contém o nome desse plano.
a) Plano de Metas
b) Plano Collor
c) Plano Cruzado
d) Plano Piloto

A

04.(UFBA)

Por todos os continentes e países do mundo encontramos inúmeros produtos oriundos da indústria. Mas, não precisamos viajar para conhecê-los. Em cada espaço de nossa casa temos esses exemplos: a cama, a roupa, o som e a TV estão entre eles. Todos esses produtos são o resultado da transformação de matérias-primas, com suprimento de energia, em produtos industrializados. Até
consolidar esse processo, a indústria passou por vários estágios de produção. (ALMEIDA; RIGOLIN, 2005, p. 123).

Com base na análise do texto e nos conhecimentos sobre a evolução, os tipos e a localização das indústrias no Brasil e no Mundo, pode-se afirmar:

(01) A Primeira Revolução Industrial foi marcada pela hegemonia alemã, pelo uso do carvão vegetal,
como principal fonte de energia, e pela grande dispersão da atividade industrial em termos do espaço mundial.
(02) A Segunda Revolução Industrial começou no final do século XIX com o surgimento das indústrias
de vanguarda como a metalúrgica, a siderúrgica, a automobilística e a petroquímica, sendo o petróleo a sua principal fonte de energia.
(04) O avanço da Revolução Técnico-Científica-Informacional já é marcante no Japão, na Alemanha,
nos Estados Unidos e em outros países, embora ainda haja a permanência de inúmeros traços da Segunda Revolução Industrial.
(08) A indústria de bens de produção utiliza grande quantidade de matéria-prima e alto consumo de
energia, visando abastecer outros tipos de indústrias, como as siderúrgicas.
(16) O vale do Silício brasileiro localiza-se em Pirapora, no interior de Minas Gerais e, assim como
o original norte-americano, concentra, atualmente, indústrias consideradas de tecnologia de ponta, especialmente de informática, eletrônica e de telecomunicações.
(32) O Sudeste afirmou-se como pólo da industrialização brasileira, sobretudo graças à infra-estrutura
urbana e de transportes desenvolvida em função da cafeicultura, devido à chegada do imigrante e pela concentração de consumidores urbanos.
(64) As usinas termo-nucleares Angra I, Angra II e Angra III fornecem a maior parte da energia consumida no sudeste do Brasil, utilizam tecnologia americana e, conseqüentemente, geram pequena quantidade de resíduos radioativos.

Resposta: 02 + 04 + 32 (38)

05.(ESPM) Leia o texto e responda:

A grande guerra de 1914-1918 dará grande impulso à indústria brasileira. No primeiro grande censo posterior à guerra realizado em 1920, os estabelecimentos industriais arrolados somarão 13.336, com 1.815.156 contos de capital e 275.512 operários. Destes estabelecimentos, 5.936
tinham sido fundados no quinqüênio 1915-1919, o que revela claramente a influência da guerra.

(Caio Prado Jr. História Econômica do Brasil)

Sobre a relação entre o Brasil e a Primeira Guerra Mundial é correto afirmar que:

a) A guerra desenrolada na Europa produziu pobreza e miséria generalizada nos países da América Latina.
b) Os países latino-americanos, o Brasil entre eles, tornaram-se exportadores de armamentos para os países envolvidos no conflito.
c) Durante a Primeira Guerra Mundial, o Brasil conseguiu manter a neutralidade até o final do conflito, obtendo com tal postura grandes vantagens ao vender manufaturas para os dois blocos em conflito.
d) A guerra levou o Brasil a diminuir as exportações e a aumentar as importações de novos fornecedores, como os Estados Unidos, o que impediu nossa industrialização.
e) A guerra levou o Brasil a diminuir as importações e a aumentar as exportações, tendo crescido bastante no eixo Rio-São Paulo o número de estabelecimentos industriais.

E

06.(Ufpi) Sobre o processo de industrialização no Brasil, analise as afirmações a seguir:

I. Até a década de 1930, não se desenvolveu uma política de industrialização, pois as atenções estavam voltadas para o setor agrário-exportador.
II. Um período importante para o desenvolvimento industrial ocorreu após 1945, com o início da crise da
cafeicultura brasileira.
III. Após 1950, o desenvolvimento se fez com grande participação de capitais estrangeiros, iniciando-se a internacionalização da economia do país.
IV. Os governantes militares, após 1964, interromperam o processo de internacionalização, principalmente pela abertura política e democratização do país.

Está correto o que se afirma em:

a) I e II
b) I e III
c) II e IV
d) I, II e III
e) II, III e IV

B

07.(Unifor) No contexto industrial brasileiro, a região Nordeste do Brasil ocupa a terceira posição. Sobre a atividade industrial da Região afirma-se:

I. Recentemente, a participação do Estado foi decisiva para a instalação de uma grande siderúrgica em Pernambuco.
II. O processo de industrialização é antigo e data da segunda metade do século XIX.
III. Dois estados são responsáveis pela produção industrial na região: Bahia e Pernambuco.
IV. No estado da Bahia destacam-se as indústrias petroquímicas que utilizam o petróleo extraído do Recôncavo Baiano.

Está correto o que se afirma SOMENTE em

a) I e II.
b) I e III.
c) I e IV.
d) II e III.
e) III e IV.

E

08.(Puc-pr) São características do governo de Juscelino Kubitschek:

a) fortalecimento das Forças Armadas; outorga de uma nova Constituição; repressão do Partido
Comunista.
b) modernização por meio de uma política autoritária; implantação da Usina de Volta Redonda;
estabelecimento do salário mínimo.
c) cassação do Partido Comunista; implantação de uma política econômica liberal; rompimento das
relações diplomáticas com a União Soviética;
d) definição de uma política denominada Plano de Metas; incentivo à industrialização.
e) proibição do lança-perfume, do biquíni e das brigas de galos; implantação de um plano de
desvalorização cambial e contenção de gastos públicos; diminuição de subsídios para os setores
agrícolas.


D

09.(Ufam) Durante o governo Médici, o Brasil assistiu a um vigoroso desenvolvimento que as manifestações ufanistas patrocinadas pelo governo batizaram de “milagre econômico”. A esse respeito, pode-se afirmar que:

a) O sucesso das cifras econômicas deveu-se à criação do Plano de Metas, idealizado pelo então ministro Antonio Delfim Neto.
b) Enquanto o PIB subia a taxas em torno de 10% ao ano, ocorreu, paradoxalmente, um aumento da concentração de renda e da pobreza.
c) O “milagre” foi decorrência direta da transformação da economia brasileira, que então abandonava suas bases rurais e passava a se concentrar na produção urbano industrial.
d) A arrancada econômica foi fruto do abandono da indústria de base e da adoção de uma política de substituição de importações que tornou o Brasil menos dependente do mercado mundial.
e) Favorecido pela política de recuperação salarial da classe média posta em prática nos anos sessenta, o “milagre” chega ao fim com o arrocho salarial imposto pelo governo Geisel.


B

10.(Ufam) Os maiores centros industriais da região Nordeste são:

a) Recife, Maceió e São Luís.
b) João Pessoa, Maceió e Salvador.
c) São Luís, Natal e Teresina.
d) Fortaleza, Salvador e Recife.
e) Salvador, Fortaleza e João Pessoa.

D

11.(Ufam) A maior parte do capital aplicado na industrialização brasileira, a partir de 1930, teve origem nos lucros obtidos com a exportação de:

a) soja
b) açúcar
c) café
d) petróleo
e) carvão

C

12.(Ufjf) O setor de leite e derivados, de longa tradição em Minas, é responsável por mais de 30% da produção brasileira. A Itambé (Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais), maior empresa do ramo, em meados de 2000, anunciou que estudava a transferência de sua produção para Goiás, onde mantém duas fábricas. Alegava que o governo de Minas cobra 7% de ICMS sobre o leite longa-vida, ao passo que o estado de Goiás oferece isenção de 80% para o mesmo produto.

Fonte: Adaptado de http://www.scielo.br/scielo

Este processo envolvendo diferentes interesses de agricultores e empresas, cuja atribuição é de responsabilidade dos governos estaduais, recebe o nome de:

a) guerra fiscal.
b) tarifa aduaneira.
c) isenção de imposto de renda.
d) taxa de câmbio.
e) guerra fria.

A

13.(Ufal) O Brasil é considerado por muitos estudiosos como um país de industrialização tardia ou país subdesenvolvido industrializado. Denominações à parte, é certo que o Brasil tem aumentado a participação dos produtos industriais na pauta das exportações. Analise as afirmações sobre o processo de industrialização brasileiro.

( ) Apesar de vir perdendo indústrias nas últimas duas décadas, a região Sudeste ainda mantém a liderança nacional tanto no que se refere ao valor de produção como quanto ao número de empregados no setor industrial.
( ) Um novo modelo de industrialização tem sido instalado no Brasil. Trata-se da criação de Zonas Especiais de Exportação em áreas densamente povoadas como o litoral da região Norte e na área central da região Sul.
( ) Até a década de 1990, a metrópole de São Paulo concentrava ¾ da produção nacional de veículos. Na última década, as transnacionais automobilísticas optaram pela descentralização e surgiram unidades produtivas em outras regiões como o Sul e o Nordeste.
( ) Permanece em vigor o modelo de substituição de importações da década de 1950; apesar das políticas neoliberais e do processo de globalização, a produção nacional continua protegida das importações de bens industriais concorrentes aos nacionais.
( ) A internacionalização do processo de industrialização ocorreu em fases sucessivas: uma delas foi no período JK quando se instalaram no País indústrias de bens de consumo duráveis; a mais recente está associada às privatizações das estatais na década de 1990.

Resposta: VFVFV

14.(Ufam) As indústrias de bebidas na região Sul do Brasil estão estabelecidas no interior das áreas de pequenos e médios produtores de uva. As cidades que apresentam a maior concentração de indústrias de bebidas do Brasil são:

a) Garibaldi, Londrina e Maringá.
b) Porto Alegre, Brusque e Garibaldi.
c) Bento Gonçalves, Garibaldi e Caxias do Sul.
d) Joinville, Garibaldi e Blumenau.
e) Bento Gonçalves, Garibaldi e Joinville.

C

15.(Ufam) O período comumente denominado de “anos dourados” marcaram uma etapa da recente história brasileira associada ao desenvolvimentismo (abertura de rodovias, expansão da rede hidrelétrica, implantação da indústria automobilística, descentralização da capital) e à atmosfera cultural marcada pelo surgimento da Bossa Nova. A que governo tal período está associado:

a) Juscelino Kubstchek
b) João Goulart
c) Getúlio Vargas
d) Eurico Gaspar Dutra
e) Jânio da Silva Quadros

A

16.(Unesp) As considerações a seguir dizem respeito à cidade localizada no mapa.
I. Seu pólo industrial é fruto de um Decreto-lei da época do regime militar, portanto, imposto à sociedade brasileira.
II. Suas empresas realizam operações básicas de montagem incorporando, gradativamente, componentes de fabricação nacional.
III. A produção industrial é altamente subsidiada.
IV. O regime tributário estabelece concorrência desleal com os produtores de outras regiões do país.
Assinale a alternativa correta.

a) Pólo Têxtil de Belém.
b) Distrito Industrial de Santarém.
c) Zona Franca de Manaus.
d) Pólo Siderúrgico de Porto Velho.
e) Zona Petroquímica de Palmas.

C

17.(Mack) Entre as causas que explicam a relativa diminuição de concentração industrial na área metropolitana de São Paulo podemos considerar
I. A deseconomia de escala na região, em face dos baixos custos de produção.
II. Um sindicalismo forte e atuante na Grande São Paulo e nos arredores.
III. Incentivos Fiscais oferecidos por outras regiões.

Está correto o que se afirma em

a) apenas I e II.
b) apenas II e III.
c) apenas I e III.
d) apenas III.
e) I, II e III.

B

18.(Fuvest)

Estado de SP fica com peso menor no setor

A Pesquisa Industrial Anual do IBGE confirma a continuidade do processo de desconcentração
regional da indústria no Brasil. O peso da indústria paulista caiu de 46,4% em 2000 para 42,5% em 2003. São Paulo, porém, ainda está bem à frente do segundo colocado – Minas Gerais, com 10%.
Em contrapartida ao desempenho de São Paulo, ganharam espaço, na estrutura industrial do país, Rio de Janeiro (por causa do petróleo), Paraná, Bahia, Amazonas, Goiás e Pará.

Fonte: Adaptado de Folha de S. Paulo, 22/06/2005.

a) Cite e explique dois motivos do processo de desconcentração mencionado no texto.
b) Identifique e explique um fenômeno geográfico decorrente da desconcentração industrial.

Resposta

a) O processo de desconcentração industrial se dá em função, principalmente, da guerra fiscal
(isenção e facilidades fiscais) e da busca da diminuição do custo da produção (menor carga tributária,
mão-de-obra mais barata e infra-estrutura menos saturada, etc.). Acrescenta-se, ainda, o desenvolvimento das telecomunicações.
b) Um fenômeno geográfico decorrente da desconcentração industrial é a maior distribuição da riqueza e da população ao longo do território nacional, a partir da expansão da estrutura e do dinamismo do setor industrial em direção a outras regiões do país.

19.(Cefetsp-ensino médio) A conseqüência geral do desemprego na Europa e nos Estados Unidos foi uma drástica redução no comércio internacional, que regrediu ao nível de 1913. Não havia compradores para o café do Brasil, o trigo da Argentina, a lã da Austrália e a seda do Japão. Assim, a crise espalhava-se pelo mundo, com seu trágico cortejo de falências, desemprego e fome. Apenas a União Soviética não foi atingida, uma vez que estava isolada do mercado internacional pelo boicote dos países capitalistas.
(Mariana Martins, (ed.). Grandes Fatos do Século XX. Adaptado )

Tanto no Brasil, sob a presidência de Getúlio Vargas, quanto nos Estados Unidos, sob a presidência de Roosevelt, foram tomadas medidas, até certo ponto semelhantes, para se combaterem os efeitos da Crise de 29. Sobre tais medidas, pode-se dizer que foram baseadas
a) no liberalismo econômico, ou seja, na total ausência do Estado na organização econômica dos países, pois se acreditava na tese desenvolvida por Adan Smith de que o Estado não deve interferir na economia.
b) no intervencionismo estatal, a partir da criação de uma legislação trabalhista e da injeção de dinheiro público na economia, com a realização de grandes obras nos Estados Unidos e com a compra e queima de estoques de café no Brasil.
c) em processos de privatizações que, ao mesmo tempo em que capitalizaram o Estado e permitiram ao governo desenvolver programas de combate à miséria, tornaram as empresas mais competitivas.
d) no incentivo às atividades agrícolas que visavam tornar o país auto-suficiente e, por conseqüência, menos dependente das relações comerciais com os demais países, seriamente atingidos pela crise.
e) na busca, por parte do Brasil, de uma balança comercial favorável que gerasse superávit para o governo pagar, aos Estados Unidos, a dívida acumulada desde o término da 1.a Guerra Mundial.

B

20.(Fgv) “O Armazém Progresso de São Paulo começou com uma porta no lado par da Rua da Abolição. Agora tinha quatro no lado ímpar. Também o Natale não despregava do balcão de madrugada a madrugada.
Trabalhava como um danado. E dona Bianca suando firma na cozinha e no bocce.
- Se não é essa cousa de imposto, puxa vida!
Mas a caderneta da Banca Francese ed Italiana per L’America Del Sud ria dessa cousa de imposto.”

MACHADO, Antônio de Alcântara. Brás, Bexiga e Barra Funda. São Paulo: Klick, 1997, p.65.

Sobre a industrialização em São Paulo, na Primeira República, é correto afirmar:
a) O crescimento industrial resultou da abolição da escravatura. O declínio do setor agrário e da exportação de café e a oferta abundante de mão-de-obra estimularam o surto industrial paulista.
b) O crescimento industrial originou-se pelo menos de duas fontes interrelacionadas: o setor cafeeiro e os imigrantes. A desvalorização da moeda praticada pelas finanças brasileiras estimulava a indústria nacional, mas, ao mesmo tempo, tornava mais cara a importação de máquinas de que o parque industrial dependia.
c) O setor cafeeiro estimulou a industrialização ao promover a imigração e os empregos urbanos vinculados ao complexo cafeeiro, criando um mercado para os produtos manufaturados. Assim, o principal ramo industrial era o da indústria de base (ferro), seguido das indústrias alimentícias.
d) As máquinas utilizadas nas indústrias eram produzidas no Brasil, e os principais industriais eram brasileiros, marcando o caráter nacional da industrialização. A política do Estado, no sentido de favorecer a queda da taxa de câmbio, estimulava a indústria nacional.
e) No início do século XX, no censo de 1907, São Paulo surgia na frente dos estados com 35% da produção industrial, seguido do Distrito Federal com 16,6% e do Rio Grande do Sul com 14,9%.

B

21.(Fdels)

"Em 1844, visando aumentar a renda do Estado, em um momento de consolidação do sistema imperial, o liberalismo alfandegário foi abandonado em prol do protecionismo aduaneiro (...) A nova lei - denominada Tarifa Alves Branco - estabeleceu que os tributos sobre os produtos importados subiriam de 15% para 30% (caso não houvesse similar nacional) ou 60% (caso o artigo fosse produzido
no país)."

A Tarifa Alves Branco permitiu a (o):
a) Modernização da navegação de cabotagem no centro-sul do país
b) Redução dos investimentos do Império no setor algodoeiro maranhense
c) Investimentos públicos na lavoura de café no sul mineiro
d) Desenvolvimento do escravismo no sul do país
e) Desenvolvimento de indústrias no país

E

22.(Fgv) “Vai minha tristeza/ E diz a ela que sem ela não pode ser/ Diz-lhe numa prece/ Que ela regresse/
Porque não posso mais sofrer/ Chega de saudade/ A realidade é que sem ela/ Não há paz/ Não há
beleza/ É só tristeza e a melancolia/ Que não sai de mim/ Não sai de mim/ Não sai.”
Chega de Saudade, Tom Jobim e Vinícius de Moraes

Esse é o trecho de uma das principais canções da bossa nova, gênero que renovou a música brasileira. Nessa época, vivia-se uma fase de otimismo no país. Altos índices anuais de crescimento econômico, grandes obras públicas, estabelecimento de empresas estrangeiras, manutenção da estabilidade política pelo presidente eleito e significativas conquistas esportivas em competições internacionais eram características:

a) do governo do Garrastazu Médici e do chamado “Milagre Brasileiro”;
b) do governo de João Goulart e da implementação das “Reformas de Base”;
c) do governo de Getúlio Vargas e da política de substituição de importações;
d) do governo de Jânio Quadros e da desnacionalização da economia;
e) do governo de Juscelino Kubitschek e do chamado “Nacional Desenvolvimentismo”.

E

23.(Fgv - direito) No ano de 1900, a cidade mais populosa do Brasil era o Rio de Janeiro, que tinha 274.972 habitantes. Em 2000, a mais populosa era São Paulo, que atingiu 10.406.200 habitantes.

a) O que ocorreu no Brasil, durante o século XX, que explica sua intensa urbanização, expressa na diferença de tamanho demográfico entre a maior cidade do país no ano de 1900 e a maior no ano de 2000?
b) Que papéis e funções a cidade do Rio de Janeiro desempenhava em 1900 para ocupar o nível mais importante da hierarquia urbana brasileira?
c) Por que São Paulo passou a ser a cidade mais importante do país, na segunda metade do século XX?
d) Nos últimos dez anos, houve uma redefinição territorial da produção industrial no país, fato que alterou os papéis desempenhados por São Paulo. Que redefinição é essa e quais os papéis dessa cidade no cenário nacional e internacional atual?

Resposta

a) Do ponto de vista econômico, político e social, o Brasil viveu mudanças profundas na primeira metade do século XIX relativas à passagem de uma economia agrárioexportadora a uma economia urbano-industrial, ou seja, viveu intenso processo de industrialização, acompanhado de urbanização.
Um dos reflexos mais significativos das mudanças que ocorreram em decorrência dessas alterações foi a mudança do nosso perfil demográfico, pois, em termos relativos, houve uma ampliação muito grande da participação da população urbana no conjunto da população total, bem como intenso processo de migração do Nordeste para o Sudeste.

b) O Rio de Janeiro era a capital do Brasil e, por essa razão, tinha importantes papéis político-administrativos. O comando político que essa cidade exercia também lhe conferia papéis culturais e de
difusão de valores da Modernidade para o restante do país. Tinha, ainda, importantes funções portuária e comercial.

c) O complexo que se organizou a partir da economia cafeeira em São Paulo criou condições favoráveis ao desenvolvimento pleno de sua industrialização.
Trabalho assalariado, mão-de-obra imigrante (sendo parte dela portadora de um saber fazer industrial trazido da Europa), capitais acumulados na cafeicultura – foram o tripé que constitui a base dessas mudanças. São Paulo tornou-se sede das principais indústrias do país, de capitais nacionais e internacionais (empresas multinacionais).

d) Houve no Brasil uma descentralização territorial da atividade produtiva industrial, tanto para o interior paulista como para outros estados do país. No entanto, houve uma centralização das atividades de comando do sistema (sedes de empresas e grande bancos) alterando o perfil funcional da cidade que diminuiu sua participação na atividade industrial do país e ampliou seus papéis ligados ao Terciário
Superior ou Quaternário.
Em função desse quadro, São Paulo é reconhecida como uma cidade global, uma vez que ampliou seus papéis ligados a grupos transnacionais que têm papel hegemônico nesse período de globalização.

24.(Mack) (Mack) A respeito do “milagre econômico” do governo Médici (1969-1974), são feitas as afirmações seguintes.
I. O “milagre” representou um período de altas taxas de crescimento do PIB (de até 14%), com avanços extraordinários na indústria, na agricultura e no comércio.
II. A política econômica baseou-se, simultaneamente, na concessão de subsídios e incentivos fiscais às indústrias e na imposição do arrocho salarial aos trabalhadores.
III. Os avanços econômicos conduziram o Brasil à situação de oitava economia mundial, condição amplamente utilizada como propaganda pelo regime militar.

Assinale:

a) se apenas I é correta.
b) se apenas II é correta.
c) se apenas III é correta.
d) se apenas I e II são corretas.
e) se I, II e III são corretas.

E

25.(Mack) A segunda metade do século XIX foi, para o Brasil, um período de importantes mudanças, na vida política e econômica, suficientemente profundas para diferenciá-lo do modelo que vigorou nos três séculos coloniais.

NÃO estava entre essas mudanças

a) a ampliação do mercado interno, em parte promovida pela construção de estradas de ferro, que permitiram uma melhor comunicação com as áreas produtoras.
b) o aumento significativo de investimentos estrangeiros, sobretudo norte-americanos, lançando, assim, os alicerces da industrialização de base.
c) a relativa estabilidade financeira, alcançada com uma balança comercial favorável em anos sucessivos, graças às exportações de café, principal produto da economia.
d) a supressão do modelo monárquico em decorrência da crise de seu elemento de sustentação, a escravidão.
e) a modernização de centros urbanos, como a cidade do Rio de Janeiro, que conheceu, concomitantemente, um relativo crescimento demográfico.

B

26.(Puccamp)

URBANIZAÇÃO DESCONTROLADA
Na verdade, o grande período da sociedade brasileira foi o pós-guerra, quando é adotado o padrão da sociedade de “bem-estar social”. Esse é o melhor momento tanto em termos de crescimento econômico quanto de crescimento ligado a uma política redistributiva. Foram abertos canais de promoção social, com investimentos públicos em infra-estrutura, em serviços de base, educação, saúde e urbanização. Isso perdurou até os fins dos anos 1970, mas a partir daí o país voltou a patinar e tornou-se cada vez mais concentrador de renda. Como, mesmo com retração econômica, a população continuou a crescer, passamos a ter cada vez mais marginalizados e excluídos.Hoje, o que era um problema social virou um problema de segurança e vivemos o agravamento de um quadro que era excludente. Temos
uma situação de confronto entre o contigente de excluídos e aqueles que concentram as possibilidades.
(Nicolau Sevcenko. In: Cartacapital, 8/10/2003, p. 38)

Se o pós-guerra foi importante para a sociedade brasileira, para a economia ele representou

a) o reaquecimento das exportações do café que passou a ser plantado no norte do Paraná.
b) a ocupação de grandes extensões do Centro-Oeste e da Amazônia com a agropecuária.
c) a redução das desigualdades regionais que voltaram a se acentuar na década de 1970.
d) um grande impulso no processo de industrialização comandado pelo Estado.
e) o início da descentralização industrial através da atuação das transnacionais.

D

27.(Ufg) A história da ocupação do território brasileiro caracterizou-se pela existência de um conjunto de atividades produtivas primário-exportadoras distribuídas em regiões distintas. Com o avanço da industrialização, após 1930, ocorreu gradativa integração do território nacional. Com relação a essas considerações,
a) explique um fator econômico-político que dificultava a integração do mercado nacional na
Primeira República;
b) apresente e analise uma das medidas políticas implementadas pelo governo de Juscelino
Kubitschek com o intuito de promover a integração territorial.

Respostas

a) Um fator econômico-político entre os indicados abaixo, além de outros:
– a política econômica baseada na produção de bens primários, voltada para a exportação,
dava pouca ênfase à atividade industrial e à formação de um mercado consumidor interno,
que era obrigado a importar produtos e bens manufaturados;
– a malha viária era insuficiente para a integração efetiva das diversas regiões, dificultando o
transporte de bens e produtos e a consolidação de um mercado unificado;
– as barreiras tarifárias interestaduais eram empecilhos à circulação de mercadorias e à
integração do mercado nacional;
– o domínio político-econômico das oligarquias fundiárias dificultava o desenvolvimento de
outras atividades produtivas que possibilitasse a integração regional.

b) Uma das medidas políticas indicadas abaixo, além de outras:
– a construção de Brasília, capital federal, consumiu grandes investimentos públicos,
proporcionou o crescimento do processo migratório e retirou do isolamento regiões, outrora
distantes do centro do poder político;
– a criação da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) foi uma das
medidas adotadas pelo governo com a finalidade de promover o desenvolvimento e a
integração regional;
– a construção de rodovias federais, iniciada ainda na fase de construção de Brasília, ligou a
nova capital a várias regiões do país e estreitou as relações entre o centro dinâmico do país,
São Paulo, às mais diversas áreas do território nacional;
– o Plano de Metas, visava ao desenvolvimento dos setores: de energia, de transporte, de
alimentação, da indústria de base e da educação;
– a implantação da indústria automobilística promoveu a expansão da malha viária que
possibilitou maior integração territorial.

28.(Uel) Em um de seus discursos, o presidente Juscelino Kubitschek afirmou:

“O puro, o nobre e inteligente nacionalismo não se confunde com xenofobia. Da mesma maneira que a independência política de uma nação não significa animosidade contra os estrangeiros, nem a recusa aos intercâmbios econômicos ou relações financeiras com os países mais ricos ou mais favorecidos em
valores econômicos.”
(In: CARDOSO, Miriam Limoeiro. Ideologia do Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. p. 158.)

Com base no texto e nos conhecimentos sobre o período JK, é correto afirmar:

a) O discurso nacionalista sob a ótica desenvolvimentista de JK possuía conteúdo semelhante àquele estabelecido na Era Vargas: ambos minimizaram a importância do capital externo.
b) A ideologia do “desenvolvimentismo” no período JK assumiu a entrada de capitais estrangeiros no país como um recurso legítimo que expressava o verdadeiro patriotismo.
c) O “desenvolvimentismo” do período JK objetivou a consolidação da vocação agrícola da economia
brasileira, promovendo a “Marcha para Oeste”, política que alavancou a agricultura de exportação.
d) Para a indústria brasileira, que passava por uma fase de retração, o “desenvolvimentismo” de JK
foi pernicioso, pois propunha um nacionalismo xenófobo.
e) O “Plano de Metas”, programa de governo do então candidato JK, colocado em pratica logo
após sua eleição, visava primordialmente ao desenvolvimento da agricultura de exportação,
instituindo, para esse fim, o “confisco cambial”.

B

29.(Ufpr) Refletindo sobre a dinâmica que marcou as etapas da industrialização brasileira, leia as afirmativas abaixo, assinalando V para verdadeiro e F para falso:

( ) Ainda sob o governo de Getúlio Vargas, o estado brasileiro assumiu um importante papel na
industrialização brasileira, ao criar as companhias estatais de infra-estrutura e as indústrias pesadas
necessárias ao nosso desenvolvimento.
( ) Juscelino Kubistcheck redirecionou o modelo industrial brasileiro durante seu governo ao abrir
o país para a entrada das indústrias leves multinacionais, como por exemplo no setor automobilístico.
( ) Durante o regime militar, o projeto de desenvolvimento econômico brasileiro voltou a apoiar-se majoritariamente na iniciativa privada e nacional. A prioridade dos militares era evitar o endividamento externo e direcionar investimentos à educação e à saúde.
( ) A partir dos anos 90, o Brasil passou a seguir fielmente os fundamentos do neoliberalismo, e assim promoveu a diminuição da participação do Estado nas atividades econômicas e industriais brasileiras, através de um amplo programa de privatizações no setor infra-estrutural e de indústrias de base.
( ) Atualmente, as multinacionais controlam a maioria do mercado no setor das indústrias leves; já no
setor dos bens de produção ainda é vetada qualquer participação da iniciativa privada.

A seqüência correta é:

a) F - F - V - F - V
b) F - F - V - V - V
c) V - V - F - F - V
d) F - V - V - V - F
e) V - V - F - V - F

E

30.(Unifesp) O processo de industrialização tardia verificado após a Segunda Guerra Mundial promoveu

a) uma divisão territorial do trabalho baseada na troca desigual de commodities.
b) a reunião de líderes de países pobres contra o capital internacional.
c) uma articulação produtiva entre núcleos de países centrais e de países pobres.
d) a atuação decisiva de países periféricos no Conselho de Segurança da ONU.
e) uma frente de países ricos que atuou pela libertação colonial dos povos.

C

31.(Urca) Sobre Indústria e Processo de Industrialização do Brasil, assinale V para as afirmativas verdadeira e F para as afirmativas falsas e indique a opção correta:

( ) o grande dilema da economia brasileira hoje é como enfrentar de forma satisfatória a Terceira Revolução Industrial ou revolução técnico-científica.
( ) a concentração industrial em São Paulo é explicada pela soma de elementos indispensáveis para o processo de industrialização ocorrido no Brasil: o imigrante, o trabalho assalariado, o mercado consumidor, o café e os capitais disponíveis.
( ) no Brasil não há a prática do monopólio, pois é uma prática exclusiva dos países desenvolvidos da América do Norte, por exemplo os Estados Unidos.
( ) o crescimento industrial de algumas áreas do Brasil é fruto de incentivos variados como : terrenos baratos ou doados; isenção de alguns impostos durante um certo período; instalação de serviços de
infra-estrutura, etc.
( ) apesar das indústrias de transformação serem o tipo mais comum e característico de atividade industrial, não há nenhuma instalada em território brasileiro.

a) F; V; F; F; V;
b) V; F; V; V; F
c) V; V; F; V; F;
d) F; F; V; V; V
e) F; V; V; V; F.

C

32.(Uepb)

“O centro econômico do Brasil, bastante urbanizado e industrializado, é constituído por São Paulo e Rio de Janeiro, as duas únicas metrópoles nacionais, e pelas cidades vizinhas (Campinas, cidades do ABC paulista, Baixada Santista, Guarulhos, Mogi das Cruzes, Volta Redonda, Baixada
Fluminense, etc). Essa área superurbanizada forma a megalópole nacional. O restante do país é constituído pelas várias periferias, algumas industrializadas, outras com economia baseada na
agropecuária e na mineração”.
VESENTINI, José William

De acordo com o texto assinale a afirmativa correta:

a) O país reproduz internamente o tipo de organização do espaço que caracteriza o capitalismo mundial, no qual existem o centro (países desenvolvidos) e a periferia (terceiro mundo).
b) O Brasil é um país igualmente urbanizado e industrializado.
c) O país é constituído apenas de periferias funcionando como o quintal das multinacionais.
d) As empresas multinacionais que ocupam o território nacional investem todos os seus lucros no Brasil.
e) O centro econômico brasileiro está localizado nos Estados Unidos, onde fica a maioria das sedes das multinacionais aqui existentes.

A

33.(Uepb) As proposições abaixo tratam da industrialização brasileira. Analise-as e escreva F ou V, conforme sejam falsas ou verdadeiras.

( ) Até a década de 1970, a atividade industrial esteve concentrada no Sudeste, devido, especialmente, aos fatores de complementaridade industrial e à concentração de investimentos públicos no setor de infra-estrutura.
( ) O Brasil vem passando por um processo de desconcentração industrial que tem refletido no crescimento de investimentos nos eixos Rio de Janeiro e São Paulo. Essa migração de investimentos produtivos ocorre em função das condições que outros lugares estão oferecendo para a reprodução do capital.
( ) A região de Campinas tem apresentado um intenso crescimento industrial, com destaque na sua indústria de ponta, estimulada pelos tecnopolos criados a partir de uma integração entre a comunidade acadêmica e o empresariado.
( ) O processo de desconcentração espacial das indústrias paulistas gerou um grande surto industrial na região Norte, equilibrando a sua produção industrial.

A alternativa que apresenta a seqüência correta é:

a) V V V F
b) F F F V
c) V V F F
d) F F V V
e) F V F V

A

34.(Cesgranrio) Nas primeiras décadas do século XX, países latino-americanos como México, Argentina e Brasil, que ainda baseavam suas economias na produção de artigos primários, começaram a desenvolver o processo de industrialização. Sobre esse fato, pode-se afirmar que:

I – nesses países a industrialização foi do tipo substitutivo, ou seja, um processo destinado a produzir internamente certos bens que antes eram importados;
II – a participação do Estado na criação de uma infra-estrutura básica necessária à industrialização foi nula, fato esse que repercutiu de forma negativa no nível de vida da população;
III – esses países iniciaram seus processos de industrialização influenciados pela 1ª e 2ª guerras mundiais e pela crise de 29, tendo como uma das mais importantes conseqüências desse processo um acentuado desenvolvimento urbano;
IV – a presença de investimentos estrangeiros na América Latina foi intensificada como garantia da diversificação do parque industrial recém-criado nessa época.

Estão corretas as afirmativas:
a) I e II, apenas.
b) I e III, apenas.
c) II e III, apenas.
d) II e IV, apenas.
e) III e IV, apenas.

B

35.(Uec) Em países de industrialização tardia o modelo de desenvolvimento industrial foi baseado em:

a) Substituição de importações e consolidação do mercado interno;
b) Exportação de capitais e abertura para o comércio internacional;
c) Especulação financeira global e consolidação do mercado interno;
d) Substituição de importações e ampla abertura para o comércio internacional.

A

36. (Ufpel) “O programa consistia em 30 metas, agrupadas em 5 setores :

1) Energia - 43,4 % do investimento em 5 metas: energia elétrica; energia nuclear; carvão; produção de
petróleo; refinação de petróleo.
2) Transportes: 29,6% do investimento nas seguintes metas: reequipamento e construção de estradas de ferro; pavimentação e construção de estradas de rodagem; portos e barragens; marinha mercante;
transportes aéreos.
3) Alimentos: 3,2 % do investimento em 6 metas: trigo; armazéns e silos; frigoríficos; matadouros;
mecanização da agricultura; fertilizantes.
4) Indústria de base: 20,4 % do investimento em 11metas: aço; alumínio; metais não ferrosos; cimento;
álcalis; papel e celulose; borracha; exportação de ferro; indústria de veículos motorizados; indústria de
construção naval; maquinaria pesada e equipamento elétrico.
5) Educação: 4,3 % do investimento em meta única.”
NOSSO SÉCULO. 1945-1960, 2ª parte. São Paulo: Abril. 1985 [adapt.].

A proposta eleitoral, denominada “Plano de Metas”, correspondeu

a) ao nacionalismo estatizante – que desejava a industrialização apoiada pela burguesia nacional,
especialmente a automobilística, com a FNM (Fábrica Nacional de Motores) – no governo de Eurico Gaspar Dutra.
b) ao slogan “50 anos em 5” – que previa desenvolvimento infra-estrutural, com destaque às rodovias, e substituições das importações – a ser aplicado no governo de Juscelino Kubitschek.
c) aos projetos na área de Energia, Transportes, Alimentos, Indústrias de Base, Educação, no Estado Novo, período ditatorial comandado por Getúlio Vargas.
d) às Reformas de Base, tanto agrária e urbana como industrial, na presidência do socialista João
Goulart, que acabou sendo destituído pelos militares nacionalistas.
e) à concentração da maioria dos recursos financeiros nos setores de Energia e Educação, com o apoio da Aliança para o Progresso, durante a presidência de Jânio Quadros.

B

37.(Fuvest) O DIEESE descreveu o perfil de um trabalhador de determinado setor da economia, que oferece cerca de 5.000.000 de empregos.

"Homens; com baixo nível de escolaridade; idade média entre 35 e 38 anos; que não contribuem para a previdência social; atuam, com freqüência por conta própria; cumprem longas jornadas de trabalho; migrantes; com percentual de trabalhadores negros superior ao encontrado na força de trabalho como um todo e com baixo nível de rendimentos".
(Fonte: "Estudo Setorial", 2002.)

Identifique o setor de atividade correspondente ao perfil do trabalhador descrito:

a) Siderurgia.
b) Produção de veículos automotores.
c) Produção têxtil.
d) Construção civil.
e) Pesca artesanal.

D

38.(Pucrio) Uma recente publicação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE - destacou as principais características da economia brasileira no século XX: o crescimento econômico entre 1930 e 1975, a manutenção da concentração da renda, a inflação entre 1960 e 1990 e a posição do país no ranking da economia mundial.
As alternativas abaixo dizem respeito a essas características, À EXCEÇÃO:

a) do elevado índice de inflação, entre 1960 e 1990, um dos fatores que agravou ainda mais a concentração da renda, ao corroer o poder de compra dos salários.
b) das profundas desigualdades na distribuição territorial da renda que permaneceram apesar da integração regional resultante da industrialização.
c) dos importantes fluxos de empréstimos e financiamentos e da entrada de investimentos diretos, entre os anos 50 e a década de 70, no setor industrial.
d) da política de desenvolvimento para a Região Nordeste, no final do período de crescimento do país, que enfatizou os produtos industriais de alto valor agregado aproveitando a capacidade ociosa da economia regional.
e) da elevação dos preços do petróleo, da dificuldade de obter financiamentos externos para cobrir o desequilíbrio do balanço de pagamentos e das altas taxas de inflação, algumas das razões da crise da década de 80.

D

39.(Uff) A descentralização espacial da indústria no Brasil se relaciona à rentabilidade dos lugares, segundo as condições técnicas (equipamentos, transportes, energia) e organizacionais (impostos, incentivos fiscais, relações de trabalho, ativismo sindical). De acordo com tais condições, muitas empresas abandonam os tradicionais aglomerados urbanos em função de novos e mais rentáveis lugares.

Pode-se mencionar como expressão territorial dessa nova dinâmica das empresas no Brasil:

a) o médio vale do Paraíba do Sul, especialmente os municípios de Resende e Porto Real, com a instalação de montadoras automobilísticas
b) o Norte e o Noroeste Fluminense, especialmente os municípios de Campos e Macaé, com a expansão da agroindústria do álcool
c) o litoral sul do estado de São Paulo, no eixo da rodovia Régis Bittencourt, com a localização da indústria têxtil
d) a região da Grande Vitória, especialmente na área portuária, com a instalação da indústria química
e) a zona da mata mineira, sobretudo os municípios de Uberaba e Uberlândia, com o desenvolvimento de pólos tecnológicos

A

40.(Uerj) O mundo vem assistindo a uma revolução no setor produtivo que tem sido chamada de terceira Revolução Industrial ou Revolução Técnico-Científica (Revolução Tecnológica). A plena inserção brasileira nesse contexto enfrenta um sério obstáculo, que é

a) a grande extensão do território nacional, encarecendo a produção tecnológica.
b) o distanciamento geográfico do Brasil em relação aos principais centros tecnológicos.
c) a incompetência tecnológica nacional no setor agrário - exportador.
d) o exagerado crescimento brasileiro no setor da indústria de consumo.
e) a limitada capacitação técnico-científica da produção nacional.

E

41.(Cesgranrio)

"(...) O aumento da produção interna exigirá o aumento das importações, o que, para verificar-se, depende da renda das exportações e do influxo líquido de capital estrangeiro. As atividades da maior parte dos setores de produção sendo interdependentes, a expansão de um deles acarretará a expansão dos demais (...)".
Programa de Metas. Relatório das atividades do Conselho de Desenvolvimento em 1958, RJ, 1959.

O governo Juscelino Kubitschek, enfatizando um modelo de desenvolvimento econômico industrial, estabeleceu as seguintes prioridades: estradas, transportes e energia. Sobre esse período, analise as afirmativas abaixo.

I. Com a participação ativa do Estado na economia, as multinacionais promoveram a internacionalização do mercado brasileiro.
II. Por não atender às necessidades reais da população, tal modelo econômico apresentou várias distorções, representadas pelo desequilíbrio social e pela concentração de renda.
III. A crescente oposição dos setores conservadores à política econômico-financeira de Juscelino Kubitschek levou-o a perder o apoio do Congresso Nacional, o qual passou a exercer pressão sobre o presidente, obrigando-o a renunciar.

Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s):

a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) III, apenas.
d) I e II, apenas.
e) I e III, apenas.

A

42.(Ufpe) No último quartel do século XX, particularmente na década de 90, uma nova forma de organização empresarial tem agregado os centros de formação de pessoal de alto nível às unidades de produção e de serviços, empregando os mais modernos recursos de microeletrônica. Em tais centros estão se implantando atividades de alta tecnologia, como em Campinas e São José dos Campos, na região Sudeste do Brasil.

Qual a denominação dada a esses centros?

a) centros megalopolitanos
b) centros-acrópoles
c) regiões metropolitanas
d) tecnopólos
e) edifícios empresariais urbanos

D

43.(Pucrio) Nas últimas décadas, vem ocorrendo no Brasil uma tendência de desconcentração industrial em direção às regiões periféricas. Observa-se também uma concentração de investimentos nas áreas já mais dinâmicas e competitivas do país, devido à presença dos fatores locacionais exigidos pelos setores de produção mais modernos e de tecnologia avançada. Entre esses fatores, podemos destacar os abaixo apresentados, EXCETO:

a) matérias-primas industriais.
b) mercado consumidor de alta renda.
c) infra-estrutura de telecomunicações.
d) proximidade dos parceiros do Mercosul.
e) centros de produção de conhecimento e tecnologia.

A

44.(Pucmg) Sobre a tendência atual da distribuição da atividade industrial brasileira, pode-se dizer que:

a) as novas empresas industriais que estão sendo instaladas tendem a se concentrar no eixo São Paulo - Rio de Janeiro.
b) a disponibilidade de energia e de mão-de-obra barata no Nordeste tem provocado a transferência de muitas indústrias do Sudeste para o Nordeste.
c) as matérias-primas de origem animal e a implantação de zonas de livre comércio são fatores locacionais importantes e que têm estimulado a transferência de indústrias do Sudeste para a Região Sul.
d) vários dos novos empreendimentos industriais que estão sendo criados no país tendem a se localizar fora do parque industrial de São Paulo.
e) apesar da guerra fiscal existente entre os estados, os subsídios e estímulos econômicos oferecidos não têm muita influência na opção de localização das empresas.

D

45.(Pucmg) Constituem características comuns no processo de industrialização entre o Brasil e os Tigres Asiáticos, EXCETO:

a) abundância de trabalhadores com baixos salários.
b) aquisição de independência financeira e tecnológica.
c) fraqueza no cumprimento da legislação ambiental.
d) baixos preços dos terrenos em contraposição com a falta de espaços em vários países centrais.
e) facilidades para exportação e para as remessas de lucro.

B

46.(Mack) O desenvolvimento industrial, baseado na substituição das importações, na atração de capitais estrangeiros e na participação estatal em obras de infra-estrutura, explica o surto industrial verificado a partir da década de 1950:

a) na Europa Oriental.
b) na Coréia do Sul e em Taiwan.
c) na China e na Índia.
d) no Brasil e no México.
e) no Peru e na Bolívia.

D

47.(Fatec) Considere os textos a seguir, para responder a esta questão.

I. "No período de 1930 a 1956, os grandes investimentos foram direcionados ao setor de base (siderurgia, petroquímica e extração mineral), com grande intervenção do Estado."
II. Embora a indústria, desde o início do século, estivesse concentrada no eixo São Paulo - Rio de Janeiro, até 1930 a organização espacial se caracterizava pelas atividades econômicas dispersas e regionalmente quase autônomas."
III. "O sucesso do Plano de Metas foi acompanhado por um significativo aumento da inflação e da dívida externa, pelo afastamento da capital federal do centro econômico e populacional do país e pela efetiva implantação do rodoviarismo."
IV. "A política do Plano de Metas acentuou a concentração do parque industrial na região sudeste, intensificando ainda mais as migrações internas e provocando o crescimento caótico dos grandes centros urbanos."
(Adap. Sene & Moreira, 1998)

Referem-se à industrialização brasileira os textos

a) I e III somente.
b) II e III somente.
c) I, III e IV somente.
d) II, III e IV somente.
e) I, II, III e IV.

E

48.(Fatec) Considere o texto apresentado abaixo:

Substituição de importados ainda patina

"O Brasil ainda patina na tentativa de impulsionar seu processo de substituição de importações. Com a valorização do dólar, que tornou mais caros os produtos estrangeiros, era esperada uma forte retomada nos projetos de fornecimento local para multinacionais. Mas alguns setores não conseguiram oferecer produtos com preços competitivos e o nível de tecnologia exigido".
(Fonte: "Folha de São Paulo", 19/03/2000, p.10-2.)

Com base nessa notícia e em seus conhecimentos sobre o processo de industrialização no Brasil, é correto afirmar que

a) a preponderância do setor agropecuário na economia nacional vem impedindo um maior desenvolvimento tecnológico do setor industrial e o crescimento da substituição de importações.
b) o período atual caracteriza-se pela fase da substituição de importações, como resposta às políticas de proteção industrial adotadas pelos governos militares.
c) o processo de substituição das importações, iniciado na década de 1930 pelo governo de Getúlio Vargas, só recentemente tem recebido maior atenção das empresas multinacionais.
d) a internacionalização da economia, intensificada pelo governo Collor em 1990, não implicou uma modernização de todos os setores da indústria nacional.
e) os efeitos do processo de globalização na economia brasileira têm permanecido restritos ao desenvolvimento tecnológico da indústria nacional.

D

49.(Ufv) Com o crescimento econômico ocorrido durante o século XX, o Brasil pode ser considerado um país industrializado, embora os males do subdesenvolvimento continuem presentes. O processo de industrialização brasileiro contou com um agente de fundamental importância: o Estado Nacional. Sobre o papel do Estado no processo de industrialização brasileiro, assinale a alternativa CORRETA:

a) Foi responsável pela construção dos setores de infra-estrutura e transporte, pelo investimento direto no setor industrial e pela criação de uma legislação trabalhista.
b) Foi responsável pelos investimentos em infra-estrutura e transporte, porém não participou dos investimentos diretos no setor industrial e se omitiu na criação de uma legislação trabalhista.
c) Agiu na criação de uma legislação trabalhista, porém não participou dos investimentos em infra-estrutura e transportes, bem como dos investimentos diretos no setor industrial.
d) Foi responsável pelos investimentos diretos no setor industrial, porém, por falta de recursos, deixou a cargo das empresas privadas os investimentos na criação de infra-estrutura e transportes.
e) Abriu mão do papel de empreendedor, não participando dos investimentos diretos no setor industrial, nem dos investimentos em infra-estrutura.

A

50.(Ufsm) Quanto à distribuição espacial da indústria brasileira, considere as seguintes afirmações:

I. A política de substituição das importações no pós-guerra possibilitou a formação de parques industriais integrados e distribuídos espacialmente, em função das especialidades produtivas de cada região industrial.
II. Nas últimas décadas, teve início um processo de dispersão do parque industrial, sendo a construção de usinas hidrelétricas na região Nordeste um fator que contribuiu para esse processo.
III. O desenvolvimento e a modernização da infra-estrutura de produção e energia, de transportes de comunicações e de informatização no interior do país viabilizaram a descentralização do parque industrial e criaram as condições de especialização produtiva, através da integração regional.

Está(ão) correta(s)

a) apenas I.
b) apenas I e II.
c) apenas III.
d) apenas II e III.
e) I, II e III.

D

domingo, 18 de março de 2012

Questões - O Brasil no mundo globalizado

01. (UFPEL) Observe a figura a seguir.


A figura é alusiva ao recente cataclismo no centro financeiro do capitalismo mundial, que gerou uma intervenção sem precedentes do governo estadunidense no mercado para sanear o capitalismo financeiro. Essa crise inevitavelmente atingirá a todos.
Nesses momentos de crise financeira, cresce em importância, na economia mundial, a consideração do risco país, um conceito que orienta os investidores internacionais sobre as melhores escolhas.

Leia as afirmativas a seguir. O risco país
I. determina o grau de instabilidade dos países emergentes de primeira linha: Brasil, Rússia, Índia e China, os que são congregados na expressão denominada Bric.
II. indica, quanto maior, menor capacidade de atrair investimentos estrangeiros. Para tornar o investimento atraente, o país tem de elevar as taxas de juros que remuneram os títulos representativos da dívida.
III. é calculado por agências de classificação de risco e por bancos de investimento. Países como
Rússia, Bulgária, Marrocos, Filipinas, Polônia e outros não são considerados como dados comparativos no cálculo dos índices.
IV. não é influenciado pela contração do crédito externo, ou pela queda do preço das ações e oscilações do dólar no cenário interno de um país, uma vez que depende do relacionamento com o mercado internacional.
V. é um conceito que funciona como um termômetro psicológico do mercado internacional de investimentos, uma avaliação do grau de credibilidade econômica que determinado país inspira a quem estuda a possibilidade de nele aplicar o seu capital.

Estão corretas, apenas,
a) II e V.
b) I e III.
c) III, IV e V.
d) IV e V.
e) I, II e III.
f) I.R.

Letra A

02. (UESPI) O conceito de globalização reúne um conjunto vasto de prescrições ancoradas no consenso hegemônico conhecido por “Consenso de Washington”. Sobre esse assunto, assinale a alternativa incorreta.
a) O Consenso de Washington foi subscrito pelos Estados Centrais do sistema mundial.
b) Esse consenso hegemônico elaborou prescrições acerca do futuro da economia mundial.
c) As políticas de desenvolvimento compõem um dos pilares do consenso de Washington.
d) O papel do Estado na economia está inscrito no receituário desse consenso hegemônico.
e) Esse consenso foi elaborado pelos Estados periféricos do sistema mundial, no início da década de 1970, na Inglaterra.

Letra E

03. (Ufc) A partir de 1989, a América Latina incorpora o neoliberalismo. Este modelo, contestado por diferentes grupos e movimentos sociais, caracterizou-se, neste continente, por

a) atenuar as diferenças sociais e a dependência em relação ao capital internacional, ofertando o pleno emprego.
b) estimular o desenvolvimento do campo social e político e implementar uma sociedade mais justa e igualitária.
c) diminuir o poder da iniciativa privada transnacional, mediante a intervenção do Estado a favor da burguesia nacional.
d) ter uma base econômica formada por empresas públicas que regularam a oferta e a demanda, assim como o mercado de trabalho.
e) instaurar um conjunto de idéias políticas e econômicas capitalistas que defendeu a diminuição da ingerência do Estado na economia.

Letra E

04. (Unimontes) O governo Collor lançou, em 1990, um plano de estabilização econômica que se apoiava nos seguintes pontos, EXCETO

a) Eliminação dos monopólios do Estado em telecomunicações e petróleo e fim da discriminação de capital estrangeiro.
b) Abertura da economia ao ingresso de produtos e serviços importados, por intermédio da redução e/ou eliminação dos impostos de importação.
c) Aumento da participação do Estado no setor produtivo, por intermédio de empresas estatais na
concessão de exploração de infra-estrutura.
d) Confisco, por 18 meses, dos depósitos bancários em dinheiro, tanto em caderneta de poupança quanto em outros tipos de investimentos.

Letra C

05. (Falm) Observe a tabela abaixo e responda:

A tabela acima apresenta a evolução do índice Ibovespa da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), medido em pontos. Com base na tabela e nas notícias recentemente veiculadas na imprensa brasileira, é possível afirmar que:
a) O mercado de ações brasileiro vive uma de suas maiores crises das últimas décadas, crise representada na tabela pelo aumento do índice nominal de aproximadamente 18 mil pontos em 2000 para aproximadamente 50 mil pontos em 2007.
b) O crescimento do índice Ibovespa reflete a perda do poder aquisitivo da população e o aumento do desemprego, verificados desde o Plano Real.
c) O mercado de ações brasileiro vive o melhor momento de sua história, momento representado na tabela pelo aumento do índice nominal de aproximadamente 18 mil pontos em 2000 para aproximadamente 50 mil pontos em 2007.
d) O índice Ibovespa representa o grau de confiança dos investidores externos e das agências de risco na economia brasileira.
e) O crescimento do Ibovespa reflete o movimento inflacionário que leva à perda de poder aquisitivo por parte do trabalhador brasileiro.

Letra D

06. (Puc-mg)


A associação dos dados apresentados pelo gráfico à realidade brasileira contemporânea permite
afirmar:

a) O imposto é a base da arrecadação no Brasil e vai diminuir gradualmente com a extinção da taxa
da CPMF.
b) O povo está cansado de pagar tantos impostos e sempre dá o seu “jeitinho” de fugir ao compromisso
com o governo.
c) O Brasil cobra impostos de país rico, entretanto não oferece os serviços no mesmo padrão dos
países ricos.
d) O Brasil tem má distribuição de renda; no que se refere à cobrança de tributos, paga mais quem
pode pagar mais.

Letra C

07. (Fuvest) Em setembro de 2007, aconteceram passeatas, em diversas cidades do País, como forma de protesto contra a privatização da Vale (Companhia Vale do Rio Doce, antiga CVRD).

a) Caracterize o contexto político-econômico mundial e nacional em que se deu a privatização da Vale.
b) Outros movimentos pró-reestatização de empresas públicas que foram privatizadas têm ocorrido na América Latina. Identifique um país em que isto aconteceu recentemente e explique o fato.

Resposta

a) A CVRD – Companhia Vale do Rio Doce – integrou o conjunto de empresas estatais brasileiras que
foram privatizadas a partir da década de 1990, num contexto internacional caracterizado pela prevalência do pensamento neoliberal, momento de consolidação de uma ordem global capitalista.
Essa Nova Ordem que se estabelecia exigia a abertura da economia. Nos países do Sul, essa liberalização dos mercados somou-se à privatização de setores em que a presença estatal, imprescindível no período inicial da industrialização pós-Segunda Guerra Mundial, tornava-se um obstáculo à modernização, inviabilizando investimentos externos.
Além disso, dentro de outro momento do neoliberalismo, que foi o Consenso de Washington, exigiu-se dos países em desenvolvimento a racionalização das contas estatais com o intuito de saldar dívidas. A
venda de estatais, como a CVRD, entrava nesse contexto.
Os investimentos necessários à modernização do equipamento industrial dos países do Sul dirigiram-se
para setores estratégicos, como a infra-estrutura de transportes, energia e telecomunicações.
O resultado desse processo de privatização do patrimônio outrora estatal permitiu a sua dinamização,
embora atualmente alguns setores sociais contrários a esse processos exijam sua revisão.
No Brasil, esse processo teve início no governo de Fernando Collor de Mello, sendo aprofundado no
governo de Fernando Henrique Cardoso. À época, houve já a mobilização de setores sociais que se
opuseram às privatizações, muitas das quais se manifestaram recentemente em favor da reestatização
da Companhia Vale do Rio Doce.

b) Dentre os exemplos latino-americanos de movimentos contrários à privatização, destacaram-se recentemente: a nacionalização dos hidrocarbonetos na Bolívia, a reestatização do setor elétrico na Venezuela, além do avanço da estatal petrolífera venezuelana, a PDVSA, sobre projetos multinacionais no vale do Rio Orinoco.

08. (Ufpe) É inegável que a economia brasileira avançou em vários aspectos, nos últimos anos. Embora o país conte com um expressivo mercado interno e um parque produtivo diversificado, a competitividade permanece travada por diversos fatores, tais como:

( ) inflação elevada para os padrões latino-americanos.
( ) alta carga tributária
( ) juros elevados
( ) crescimento negativo do PIB
( ) deficiências na infraestrutura

Resposta: FVVFV

09. Observe os gráficos apresentados a seguir.

 

Com base nas informações anteriores e em seus conhecimentos sobre o comércio exterior brasileiro,
assinale V (VERDADEIRA) e F (FALSA) para cada uma das afirmativas abaixo.

( ) Em 2005, o Brasil apresentou um superávit comercial com os Estados Unidos, a Argentina e a
China mas houve um déficit com a Alemanha. O comércio bilateral brasileiro com a Argélia e com a
Nigéria não é dos maiores, considerando que esses são fortes parceiros exportadores.
( ) Existe uma concentração muito grande de negócios com os Estados Unidos, sendo esse o país para quem mais vendemos e de quem mais compramos. Desse modo, a balança comercial brasileira é
completamente independente daquele mercado.
( ) A estrutura das exportações brasileiras está baseada em produtos que possuem, em geral, baixa
tecnologia e pouco valor agregado, ou seja, vendemos produtos baratos e temos que importar
itens caros de alta tecnologia e muito valor agregado.
( ) As barreiras do comércio internacional e os baixos investimentos internos em pesquisa e tecnologia
dificultam a inserção do Brasil no mercado exportador de produtos de tecnologia intensiva. Como conseqüência, observa-se que as unidades produtivas são de pequeno porte e com fracos
investimentos no exterior.
( ) A política de substituição de importações pela produção industrial local, adotada desde a década
de 1930, foi responsável pela modificação no quadro de extrema dependência externa, uma vez
que o padrão de crescimento econômico adotado voltou-se para o mercado interno.
Indique a opção que apresenta a seqüência correta.

a) F, V, V, F e F.
b) V, V, F, F e V.
c) V, F, V, V, e V.
d) F, F, F, V e F.
e) F, V, F, F, e F.

Letra C

10. (Ufv) Observe a tabela a seguir:

 

base na análise dos dados da tabela e nos conhecimentos sobre comércio exterior brasileiro, assinale a afirmativa CORRETA:

a) As importações cresceram continuamente, em função das importações de produtos agrícolas europeus e de material eletroeletrônico do Mercosul.
b) O crescimento nas exportações deve-se ao desempenho das indústrias brasileiras de produtos de alta tecnologia no mercado africano.
c) O aumento das exportações brasileiras ocorreu porque a Organização Mundial do Comércio (OMC)
reduziu as barreiras comerciais dos países ricos aos produtos oriundos do Mercosul.
d) O superavit na balança comercial deve-se aos esforços políticos do governo federal e ao bom
desempenho dos produtos agropecuários, como a soja, no mercado internacional.
e) O aumento das exportações é conseqüência do processo de globalização, que ampliou trocas comerciais internacionais, reduzindo a desigualdade entre os países ricos e pobres.

Letra D

11. (Uft) A inserção da economia brasileira no movimento de globalização teve início na década de 1990.

É INCORRETO afirmar que essa inserção foi acompanhada pela

a) adoção de processo industrial voltado para a substituição de importações, que reduziu a dependência do mercado interno por produtos manufaturados.
b) consolidação de um modelo econômico estruturado na liberalização comercial e na atração de investimentos estrangeiros diretos.
c) criação de agências de fiscalização das empresas privadas que se tornaram concessionárias de serviços públicos.
d) implantação de um programa de privatização das estruturas produtivas estatais – indústrias siderúrgicas e empresas de telecomunicação, entre outras.

Letra A

12. (Ufpe) “O processo de privatização das indústrias de base, setor de distribuição de energia e de outros setores que praticamente sempre foram controlados pelo Estado brasileiro, foi um fato marcante na década de 1990.”

Sobre esse assunto, analise o que é afirmado abaixo.

0-0) As privatizações ocorridas nesse período foram decorrentes da aplicação de uma política econômica marxista, de caráter “neo-socialista”, posta em prática por setores ligados ao sistema financeiro internacional.
1-1) O sistema TELEBRÁS foi a primeira empresa a ser privatizada na década referida, tendo sido dividido em mais de 10 empresas de telefonia fixa e móvel.
2-2) Um dos argumentos utilizados como justificativa para as privatizações foi o de que as empresas eram ineficientes, pouco competitivas e davam prejuízos. Assim, a venda dessas empresas diminuiria os gastos do governo.
3-3) Antes de serem privatizadas, as empresas estatais que não se mostravam muito rentáveis, economicamente falando, eram, em geral, financeiramente saneadas.
4-4) As privatizações das indústrias de base ocorreram como aplicação de uma ideologia, segundo a qual a participação do Estado na economia tem que ser máxima, sobretudo em setores que não apresentem déficit financeiro.

Resposta: FFVVF

13. (Unesp) Compare o ritmo de crescimento (PIB) e a inflação em alguns países, nos anos de 2004 e 2005.

 

Assinale a alternativa correta.
a) Dos países da América do Norte, Estados Unidos e México apresentam taxas de crescimento semelhantes e elevados índices de inflação nos dois períodos.
b) Dos países asiáticos, apenas Índia e China apresentam elevadas taxas de crescimento e índices de inflação muito elevados nos dois períodos.
c) Dos países sul-americanos, o Brasil apresenta as menores taxas de crescimento com índices de inflação pouco variáveis, enquanto a Argentina apresenta os maiores índices de crescimento com inflação crescente, próxima dos 10% ao ano.
d) Dentre os países desenvolvidos, Japão e Estados Unidos apresentam elevadas taxas de crescimento, enquanto os índices de inflação, nos dois períodos, estão próximos de zero.
e) Dos países latino-americanos, o Brasil e o México apresentam as maiores taxas de crescimento e os menores índices de inflação, próximos de 2% ao ano.

Letra C

14. (ESPM) Leia a matéria:

Crise já faz governo temer freada no crescimento

Análises de economistas do governo indicam que, se houver recessão nos Estados Unidos, a meta de crescimento de 5% do PIB para o ano que vem ficará comprometida.

(O Estado de São Paulo, 19/08/07)

O impacto da crise financeira internacional, deste segundo semestre de 2007 na economia brasileira, se explica pelo fato de:

a) Não ser o Brasil um global trader e depender exclusivamente do mercado norte-americano para alocar suas exportações.
b) Ser o mercado americano o maior destino das commodities brasileiras e o recuo das exportações pode diminuir os superávits alcançados nos últimos anos.
c) A descapitalização afetar os investimentos estrangeiros no país, gerando um conseqüente superávit nas contas correntes.
d) O Brasil não conseguir manter as médias de crescimento em torno de 5% que obteve nos últimos quatro anos, uma vez que as exportações para o mercado norte-americano contribuem decisivamente para o aumento do PIB nacional.
e) Que o Brasil vem se retirando da globalização, devido ao modelo econômico implementado no atual governo.

Letra B

15. (Ufscar) Os gráficos apresentam os resultados, no Brasil, da Balança Comercial e da Balança de Pagamentos entre os anos de 1970 e 2004.

 

Com base nos dados, pode-se afirmar que:

a) o superávit comercial assegura superávit na balança de pagamentos, fato que explica a política de incentivo às exportações adotada pelo Brasil desde os anos de 1990.
b) as políticas de privatização e de abertura às importações, realizadas a partir do Governo Collor, geraram déficits sucessivos na balança comercial e de pagamentos.
c) apesar das oscilações, houve predomínio das exportações frente às importações, no período representado nos gráficos.
d) a desvalorização do dólar a partir do segundo semestre de 2004 gerou aumento das exportações, redução dos investimentos estrangeiros no país e déficit na balança de pagamentos.
e) o aumento dos juros da dívida externa, na década de 1970, em decorrência da crise mundial do petróleo, é responsável pelos déficits na balança comercial em 1975 e 1980.

Letra C

16. Com base nos dados, pode-se afirmar que:

a) o superávit comercial assegura superávit na balança de pagamentos, fato que explica a política de incentivo às exportações adotada pelo Brasil desde os anos de 1990.
b) as políticas de privatização e de abertura às importações, realizadas a partir do Governo Collor, geraram déficits sucessivos na balança comercial e de pagamentos.
c) apesar das oscilações, houve predomínio das exportações frente às importações, no período representado nos gráficos.
d) a desvalorização do dólar a partir do segundo semestre de 2004 gerou aumento das exportações, redução dos investimentos estrangeiros no país e déficit na balança de pagamentos.
e) o aumento dos juros da dívida externa, na década de 1970, em decorrência da crise mundial do petróleo, é responsável pelos déficits na balança comercial em 1975 e 1980.

Letra D

17. (Unesp) Observe a tabela e assinale a alternativa que indica a relação entre PIB total e PIB per capita, no período considerado.

 

a) Os aumentos do PIB total e do PIB per capita não foram proporcionais, indicando acelerado crescimento econômico.
b) Os aumentos do PIB total e do PIB per capita foram proporcionais, indicando elevado crescimento econômico.
c) O PIB total não aumentou ano após ano, ao contrário do PIB per capita, indicando moderado crescimento econômico.
d) O PIB total aumentou pouco e o PIB per capita praticamente duplicou, indicando elevado crescimento econômico.
e) tanto o PIB total como o PIB per capita aumentaram pouco, indicando lento crescimento econômico.

Letra E

18. (Unesp) Observe as tabelas.